Volta para mim!

Apenas te quero dizer duas coisas antes de voltarmos às nossas vidas de costas voltadas. E não penses que é uma última tentativa desesperada de te conquistar porque dessa já desisti; ou então pensa porque não vou ser hipócrita ao ponto de dizer que se quisesses eu diria que não e ia me embora.

Todos os casais já partilharam a história do momento em que se conheceram, mas aí está, nós nunca fomos um casal, apenas fingimos durante breves momentos que poderíamos vir a ser um, que havia possibilidade de um futuro a dois; ou pelo menos tu fingiste.

Agora vem aquela parte do discurso que podia entrar numa daquelas comédias românticas que estamos fartos de ver na tv mas que quando estão a dar não mudamos de canal.

rimeira vez que te vi nem deste pela minha presença,  nem uma troca de olhares se houve mas eu, mas eu outro lado não consegui tirar os olhos de ti, havia algo de diferente, algo que eu queria descobrir o que era, podia chamar de amor à primeira vista mas nunca chegámos a esse ponto; ou pelo menos tu não chegaste.

Voltaste a entrar na minha vida e quase lhe chamei de destino quando encontrei o teu nome, quase porque sendo eu crente na ciência não podia me deixar levar por um conceito tão abstracto e instável,  no entanto também o é o amor e aqui estou eu a escrever sobre ele. Alguns cafés e algumas conversas depois, acreditei num futuro promissor a teu lado, tu esquecias o passado que te fez sofrer e eu um passado solitário, era o início de algo fantástico; ou pelo menos foi isso que me levaste a crer.

A partir daí a história já não se enquadra com o final feliz esperado, por isso chamemos-lhe apenas de final da história, porque foi aí que tudo acabou sem ter começado; ou pelo menos para ti acabou.

A segunda coisa que te queria dizer mudou um pouco enquanto escrevia isto, por isso na sua forma mais curta e direta:

Volta para mim!