Vem aqui, barbudo, é rapidinho… Prometo!

Já alguém te contou o poder que tens?

Seduzes sem querer, e és desejado sem saber.

Deixa-me explicar-te…

Quando passas exalas charme, prendes olhares, e involuntariamente eu suspiro…

É assim que me enfeitiças, e que fazes com que eu queira que a tua barba encoste no meu pescoço enquanto sussurras no meu ouvido o quanto eu te deixo louco.

Vem e abraça-me!

Hipnotizas-me com esse olhar malicioso cheio de ingenuidade. Tornaste-te num mistério envolvente que despertou a minha curiosidade, e sem saberes que eu desejo-te… provocas-me com tanta intensidade que eu desarmo e rendo-me.

Cobriste-me de coragem e num impulso eu “escondo-me” entre os teus braços enquanto as minhas mãos percorrem lentamente as tuas costas…. agora somos eu e tu num momento instintivo onde mergulhamos profundamente nos nossos pensamentos mais ocultos.

O corpo fala e pede toque, pede beijo, pede olhos nos olhos… consequentemente arrepia, treme, arde, e age…

Neste momento eu já não ouço a razão, ela perdeu a voz e tudo o que me guia é o desejo…