Tu Vais Sempre Fazer Falta

Jamais to irei dizer. Tu sabes. Sou incapaz de admitir que tenho saudades. Mas tenho, tenho mesmo muitas.

Sabes o quanto sou orgulhosa, e sabes que não é fácil estar a escrever sobre ti. Mas tenho saudades!

Tenho saudades de todas as manhãs, olhar pro visor do telemóvel e ver uma mensagem tua; “Gorda, vou chegar atrasado”.

Eu sorria. Sabia que aquele “gorda” estava cheio de sentimento, cheio de amor. Sabia que afinal nem ias chegar atrasado.

Era a tua forma de me dizeres bom dia. E eu adorava. Nunca fomos de nos dedicar-mos um ao outro, nunca dissemos um ” eu amo-te ” nem um “eu gosto de estar contigo”, não precisávamos disso para sabermos o quanto éramos importantes mutuamente.

Adorava quando me dizias que estava gorda, que não podia comer mais, a serio. eu ficava completamente amuada, mas por dentro, amava-te e derretia-me toda. E lembras-te as tantas e tantas vezes que me irritaste, só porque eu ia com o meu “bom” humor matinal, aquele que nem a minha mãe atura.

Mas tu aturavas e ainda fazias pior. Tu estavas lá com toda a paciência existente neste planeta, e mimavas-me, à tua maneira. “Gorda vamos à pastelaria” dizias tu, todas as manhãs. A maneira como mo dizias, era tão meiga, tão doce, tão carinhosa, que só me apetecia bater-te.

Tu sabes que não sou como as outras, cheia de romantismos e mil exigências em relação ao amor e à forma como devem ser tratadas.

Eu sou aquela típica miúda completamente dura, bruta, besta, que não gosta de lamechices, nem de muito aconchego, apenas o suficiente. Tu sabias a quantidade desse “suficiente”. Mas também sabes que por detrás desta pedra, que tu tanto dizias
preciosa de ti, há uma flor, tão frágil como porcelana.

Ai, e como conheço esse teu respirar, tão suave e profundo, como mar. E quando o teu coração acelerava?! Era lindo! Não paravas, andavas de lado para lado a discutir com o cupido, como se ele tivesse a culpa de eu ser assim, e de tu gostares!

Fomos um casal maravilhoso, estranho também. Poucos sabiam.
Juro-te que não me esqueço do sabor do teu beijo, e tenho saudades dele, e do teu abraço. do teu toque…hummm só Deus sabe o quanto eu amava que me tocasses, que viesses fazer aquela massagem que eu tanto precisava.

Eu amava-te e tu amavas-me. Partiste e eu fiquei. Não falámos sobre a tua ida, nem sobre o teu regresso. não pusemos fim aquilo que tínhamos. Não quisemos acabar mal, mas o nosso amor acabou, da maneira mais estranha de sempre.

Hoje sinto saudades de ti, e saudades daquilo que não te disse. Saudades do “Gorda, vou chegar atrasado”.

Saudades do pedaço de pedra que levaste de mim.

E o que tenho de ti, não me chega para ser feliz como era, mas é demais para ter saudade.