Uma questão de alma gémea!


Amor em tempos de solidão é o pior que pode acontecer. Como semelhante atrai semelhante, o mais provável é encontrar alguém parecido ou pior. As coisas sucedem-se e o inevitável acontece.

Óbvio que não resulta pois não houve grande tempo para conhecer, ao primeiro problema não conseguiram resolver como gente grande e acaba tudo. Resultado: fica-se pior. É mais fácil duas pessoas que se conhecem há pouco tempo serem namorados do que amigos de longa data, não se conhecem defeitos, o que ajuda e essa pessoa é perfeita, metemos num pedestal.

Agora nas amizades de longa duração, já se sabem certos tiques, manias, etc.
Depois de uma relação há dois tipos de pessoas: aquelas que andarão de relação em relação, sem dar espaço para a cura emocional só para preencher um vazio que ficou e assim nunca será preenchido. Outras tentarão acima de tudo amar a sim mesmas e deixar a vida tratar do resto.

A vida não é feita de relações à pressa. Por exemplo, sites de encontros são uma perda de tempo, não é assim que se conhece alguém especial são para pessoas desesperadas que simplesmente não conseguem aproveitar o doce sabor de uma amizade acabada de nascer pessoalmente. A alma gémea não se encontra aí, quem vagueia por lá, ninguém está destinado a ninguém, são amizades virtuais, nunca se sabe quem é essa pessoa de verdade.

Eu não quero chegar aos 30 e depois ter que escolher uma qualquer só porque foi a melhor que pude arranjar. Não quero ficar com a tal, as tais existem em todo o lado, pessoas especiais em todo o lado que valham a pena por uns meses, tornando-se numas quaisquer. Eu quero a alma gémea ao meu lado, aquela pessoa especial, não que preencha um vazio, não que complete mas seja um espelho do meu tão complicado puzzle da minha personalidade.