A textura dos profundos radiosos castanhos olhos…

Era tão pequena e frágil, quase intocável. Como fazia estes doces cabelos dançar ao som de uma simples palpitação.

Por vezes é bom por a pata na poça num dia de sol e sentir a água entrelaçar-se entre os dedos. É a errar que aprendemos a distinguir o bem do mal e nenhum ser humano é imune ao erro. Mais tarde ou mais cedo cada um de nós vai errar, e o valor a pagar por esses erros, por vezes é excessivo. Todavia só os fortes é que são capazes de assumir o facto de terem errado e cumprir com a punição estipulada. Mas por vezes essa pena altera-se, e é prolongada, mas isso não significa que os nossos erros não estejam absolvidos.

Dou tudo, para que em cada segundo possa relembrar a textura dos profundos radiosos castanhos olhos da minha mãe e dar um abraço, daqueles que a aperte tanto que faça saltar as suas veias e escorregar o seu coração.

É difícil descolar-me assim, logo agora que já me tinha habituado a colocar apenas 4 pratos na mesa, a acordar com a música do rádio que a minha mãe liga logo que se prepara para começar a lida doméstica, em todos os jantares ouvir o dia do meu pai e nos atropelar-mos todos a falar, a todos os domingos dar um pulinho a casa da minha avó para a mimar, e ser mimada com o mesmo mimo de sempre, aquele simples bolo xadrez que me conduz aos tempos de

infância, e o claro facto de o meu irmão já se ter acostumado a partilhar o comando comigo. É esta a rotina que eu não trocava nem por todas as pirâmides do Egipto abarrotadas de tabeles de Milka de caramelo.

Desejei biliões de vezes estar a ter um grandioso pesadelo. Fechei e abri os olhos, belisquei-me mais de sete vezes, era mesmo real. A minha nuvem deixou de flutuar e aterrou pés firmes na terra.

Eu que tinha convencido o impossível a tornar-se possível. Tinha mudado tudo, até a cor da minha pele. O meu mundo não se baseia nas aparências mas sim de realidades.


PELA WEB

Loading...