Sobre sonhos e certezas…

Quando eu era criança, acreditava que todos os adultos sabiam de tudo. E de certa forma, era o que parecia. Depois, na adolescência, fiquei esperando o momento em que decidiria como seria minha vida e que caminho eu seguiria para alcançar os meus sonhos. Esse momento chegou e se foi, como água que escorre da mão quando tentamos segurar.  Depois, pensei em vários sonhos que eu tinha e quis seguir todos eles. Sem muito sucesso.

Eu gostaria de ser como aquelas pessoas totalmente certas de si, que têm certeza do que querem na vida e são tão independentes que não precisam de ninguém. Pessoas que sabem exatamente onde querem chegar e seguem o caminho sem desvios, chegando ao patamar desejado. Mas eu não sou.

Algumas vezes me sinto como um brinquedo quebrado, que veio com defeitos de fábrica. Um software que não se adapta direito. Sem um lugar definido na cadeia alimentar da sociedade. Enquanto eu esperava a luz surgir, a mente se organizar e o momento certo acontecer, essas pessoas tão certas de si já tinham trilhado o seu caminho.

Descobri então, como adulta, que os adultos não sabem de porra nenhuma! Eles passam sua vida criticando, julgando e esperando que ninguém seja mais bem sucedido do que ele próprio. Triste é crescer e entender que o mundo não é como nos contos de fadas.

Fiquei pensando por horas, dias, semanas. A conclusão foi que, talvez toda essa história de imagem perante a sociedade, status e vida séria é um monte de baboseira para fazer as pessoas acreditarem que devem servir a um sistema para que ele funcione. Pois bem, ainda não tenho a certeza do caminho que quero trilhar. Na verdade, posso dizer aqui que o mundo nos impõe tantos limites, que seguir sonhos é visto como perca de tempo.

Significa então que: você pode ter um sonho, desde que ele seja rentável e estável. Caso contrário, você é maluco, está errado e não quer nada da vida.

Nesse mundo cada vez maior e mais conectado, com tantas possibilidades de sonhar, acabamos presos por nossas próprias regalias. Aquela viagem dos sonhos é adiada por falta de grana, a diversão na festa deve ser controlada por causa da imagem a ser mantida e a vontade de fazer todos os cursos, aprender todas as línguas e ler todos os livros é deixada de lado por falta de tempo.

Será que houve algum momento na humanidade em que sonhar realmente era permitido? Sonhos pequenos, grandes, fossem quais fossem. Quantas pessoas no mundo realmente vivem como são? Será que temos a obrigação de definir nossas vidas o quanto antes, sem poder esperar o momento certo? Acreditei que cada vez mais, as pessoas ganhavam personalidade e individualidade. Agora, vejo que de certa forma, o sistema está apenas definindo por nós o que não queremos ser…