Sinto que ainda te amo…

Eram tão puras e intensas aquelas nossas tardes passadas na praia. Tardes essas, em que ficavas sentada nas rochas, por vezes a ler e em outros momentos, apenas ouvias música e me observavas a praticar aquilo que mais amava.

Antes de cada onda que tentava apanhar, olhava sempre em tua direcção, para ver se conseguia captar na tua mente, aquele momento em que desfrutava daquela liberdade, aquele momento em que era verdadeiramente feliz, aquele momento em que tentava demonstrar o porquê de ser diferente de tantos outros.

Foram passando alguns meses, mas as nossas tardes de domingo estavam sempre presentes, fosse na praia em dias de sol ou apenas a passear de carro em dias menos apetecíveis.

Éramos apenas amigos. Mas com uma cumplicidade tão forte, que ao longo do tempo, se foi transformando em algo mais especial.

Desde o início da nossa amizade, até ao nosso primeiro beijo levou seis meses, foi algo que não foi repentino, algo em que eu fui pensando para não ser mal interpretado.

Quando chegou o momento foi tão estranho. Eu avancei, tu recuaste. Senti algo estranho por ter levado aquela “tampa”. Não insisti, esperei, e quando avançaste ” paguei” na mesma moeda, não deixei que fizesse “farinha” comigo. Foram momentos de apertos no coração e de sorrisos. Mas quando chegou o verdadeiro momento, em que os nossos lábios se tocaram pela primeira vez, percebi que o que se estava a passar naquele momento era algo que não era banal, mas sim o início de um amor inesquecível.

Dois meses depois começamos a namorar. Namoro esse que durou um ano e cerca de três meses.

Durante os primeiros tempos era tudo perfeito, até chegarem às discussões. Apesar de gostarmos muito, um do outro, os nossos feitios, eram tão diferente mas tão iguais. Acredito que não foi isso que nos tenha levado ao rompimento, mas sim o fato de sermos jovens e ainda termos tanto para viver um sem o outro.

Com esta separação sofri, sei que sofreste bem mais, depois de esse mau momento, a vida trouxe algumas injustiças para ti. E eu não estava lá para te ajudar.

Sinto-me culpado por não ter estado lá, mas já é tarde para arrependimentos.
Tínhamos tantos planos feitos e objetivos para serem traçados; casa, filhos, viagens. Tudo resumido em nada.

Hoje estou um pouco perdido.
Espero que faças as escolhas certas na tua vida, estas longe mas espero que estejas feliz.
Sinto a tua falta, sinto que ainda te amo.

PORAnónimoJM
Partilhar é cuidar!