Sinto-me cada vez mais só…

Sinto-me cada vez mais só.

Quando julgo que a minha vida é uma montanha russa em ascensão alguém me atira para a lama e me calca bem fundo.

Cada vez se torna mais difícil erguer-me, as nódoas são irreparáveis, por mais que a minha roupa fique limpa a sujidade nunca saíra da minha pele, entranhou-se na mesma e aí irá permanecer para sempre.

O fardo é pesado, o cansaço é imenso e a vontade muito pouca.

Hoje olhei pela janela e percebi que nunca seria nada neste mundo estagnado.

Neste momento deixo que a minha mente vagueie e sonhe com impossibilidades, mas, um dia garanto, farei a minha mochila e partirei rumo ao desconhecido.

Não suporto mais ser quem sou! Não suporto nem mais um dia olhar-me no espelho e sentir a deceção invadir-me, ela faz parte do meu corpo tal como o meu sangue. Eu choro desespero e sangro deceção.

Sinto-me ridícula por não corresponder ao estereótipo de mulher perfeita, não faço parte disto. Sou uma lapa presa a uma rocha, um floco de neve preso numa fatal bola de neve que tudo destrói.

Estou farta de ser a roliça, a confiável, aquela que é “apenas uma amiga…”

Estou farta de rótulos.

Só quero ser eu! Quero ser tudo mas sei que estou rodeada por uma névoa que dificilmente se dissipar-se-à.

Quero tomar posse das rédeas mas o cavalo à muito que partiu.

Fico sem jeito mergulhada em meros sonhos e não choro, as lágrimas secaram a partir do momento em que o cansaço assolou o meu corpo.

PORSofia Sousa
Partilhar é cuidar!