Será que existem quintas oportunidades?

Fixámos os nossos olhos um no outro e por segundos, revivi toda a nossa história.
Desde o mais infamo pormenor até ao nosso primeiro beijo.
Olho-te intensamente nos olhos e digo-te tudo o que ainda não disse, digo sem abrir a boca uma única vez. Espero que percebas.

Ficou tanto de nós para trás, tanto por dizer, tanto por fazer.
Ficaram tantos beijos por dar, tantos abraços, tantas gargalhadas.
Ficaram tantas aventuras, tantos passeios, tantas fotografias, tantos vídeos.
Ficaram tantas viagens, tantos almoços e jantares, tantos cafunés. Ficou tanta coisa por fazer, que custa a acreditar.

Já viste onde chegámos? Cada um para seu lado, sem saber se ainda respiramos.
Chegámos a um ponto onde parece que já não existe sentimento, e nem sabes o quanto isso me sufoca. Sinto um aperto no coração quando me entrego à realidade e dou conta de que o nosso tempo já passou, que já não sou a última pessoa com quem tu falas antes de adormecer.

Continuas com esse remoinho no cabelo. Fica-te tão bem. Esse sorriso continua o mesmo. A tua voz continua a mesma, a tua voz é a minha perdição, admito.
Custa-me acreditar que depois de tudo o que passámos, tenhamos seguido cada um para seu lado como se nada fosse. Como se não pudéssemos contrariar as leias da vida e lutar um pelo outro. A distância pagou-se cara, não foi?

Só gostava de saber o que vai na tua cabeça, se ainda pensas em mim ou se já me ultrapassaste. Eu ainda penso em ti, todos os dias, como se ainda aqui estivesses.
Sinto tanto a tua falta. Sinto. Tanto. A. Tua. Falta.
Não consigo e não quero acreditar que a nossa história acabou, recuso-me a esquecer-nos.

Foste a melhor coisa que me podia ter acontecido. Eu sei que é uma frase cliché, mas não há frase que se enquadre melhor. Foste sem dúvida, a melhor coisa da minha vida até aos dias de hoje.

Tenho tanto para te dizer, tanto para te contar. Já aconteceram tantas coisas boas na minha vida que queria partilhar contigo, como nos velhos tempos.
Que saudades de ti.
Que saudades nossas.

Espero que saibas e que tenhas consciência de que como eu não há ninguém. Espero que saibas que nunca vais viver algo tão diferente e intenso com outra pessoa. Eu sei que sabes disso, eu sei que sabes que a nossa história vai ser para contar aos nossos netos. (Espero que sejam os mesmos)

Já passou tanto tempo desde o nosso último adeus. Como é que é possível termo-nos conformado com o tempo e com a distância? Como é que é possível, que depois de tudo, tenhamos deixado o tempo matar aquilo por que lutámos e contrariámos tanto? Dói. Sabes?Sinto falta dos teus mimos. Sinto falta das tuas mãos sempre quentinhas. Sinto falta do cheirinho do teu pescoço quando me encostava nele. Sinto falta de te abraçar e de te chatear. Sinto falta de te acordar com mil e uma mensagens às sete da manhã de um sábado só para te irritar e poder gozar contigo. Só para te ouvir e só para te dizer, mais uma vez, que te adoro.

Que saudades, que saudades.
Tanta coisa que ainda precisavas de ouvir.
Lá terei de me conformar e tentar, principalmente isso, tentar, seguir com a minha vida.
Espero que tenhas percebido tudo isto através dos meus olhos. Que brilham tanto por ti.
Adoro-te tanto, mas tanto. Ainda.

Onde andas? Não queres apanhar um comboio e vir ter comigo? Podíamos ver um filme no quentinho, como tu gostas. Podíamos encomendar pizza e ficar a conversar sobre tudo o que nos vier à cabeça…
Volta, volta para mim. Vamos contrariar o destino e ficar juntos, juntinhos.

Será que existem quintas oportunidades?

PORJéssica E
Partilhar é cuidar!