Ser Mãe…

Descobrir que te iria ter na minha vida, foi um momento de choque e de felicidade extrema. O misto de sentimentos começou logo aí. Os meses que se seguiram foi de ansiedade, felicidade, angústia, alegria. Pensar no que iria ser o amanhã contigo, fazia o meu amor por ti crescer. Com isso também crescia as preocupações, as incertezas, as dúvidas, as inseguranças. Depois veio o momento que me mostrou o que é um amor maior: o momento que te tive nos meus braços pela primeira vez. Mostrou-me o que é um amor maior que o amor por nós próprios; um amor maior que tudo o que temos na nossa vida, um amor maior que tudo o que gira à nossa volta, um amor maior que nos dá força para enfrentar o mundo.

Mas este amor maior também nos mostra um lado negro da vida. Um lado com angústias de perda, medos de falhar, incertezas do que é certo ou errado, pressões para sermos perfeitas, dúvidas de tudo, inseguranças. Este amor maior traz-nos também momentos de culpa por acharmos que nem tudo na nossa vida deve girar em torno desse amor. O famoso misto de sentimentos que nos coloca numa corda bamba, em que qualquer dos lados que se caia nos traz angústias; o misto de sentimentos que nos transforma, ao mesmo tempo, na Super-Mulher e na princesa da torre, perdida, à espera de ser salva.

O mundo instala a ideia de que somos máquinas, talhadas para fazer sempre tudo bem, ou para saber sempre tudo, ou para estar sempre pronta e presente.

A verdade é que não é assim.
Nós, mães, sabemos que não é assim.

Precisamos de um equilíbrio entre ser mãe e mulher; precisamos de um equilíbrio entre cuidar dos nossos filhos e cuidar de nós; precisamos de um equilíbrio entre estarmos presentes na vida deles sem nos afastarmos de sermos nós próprias.

Ser mãe é muito mais que amar o nosso filho apenas; ser mãe é um modo de vida, um estado de espírito, uma forma de olhar o mundo. Este sentimento, que toma conta de nós, que cresce cada dia que passa, mesmo quando achamos impossível, por já ser tão grande.

Um sentimento impossível de quantificar e muito mais impossível de descrever numa palavra.

Ser mãe vai ser sempre isto: um tempo que nos marca por ser tão feliz e tão assustador; um tempo em que o medo vem abraçado com a alegria; as angústias com o carinho; a saudade com o cansaço; estes sentimentos contraditórios que, no final, resumem este nosso amor maior e nos mostra que o nosso lado será sempre o lado deles.