Seguir em frente…

Depois de tantos dias.
Semanas.
Meses.
A tentar esquecer o teu rosto, o teu sorriso e tudo aquilo de que és composto, finalmente consegui. Consegui querer seguir em frente.
E ter conseguido querer deixar-te no passado foi sem dúvida uma vitória.

Não vou dizer que às vezes não sinto a tua falta.
Não vou dizer que às vezes não sinto falta de conversar contigo.
Não vou dizer que às vezes não sinto falta de te ter junto a mim.
Não vou dizer que às vezes não sinto vontade de estar contigo.
Não vou dizer que às vezes não me lembro dos nossos momentos e me dá um aperto no coração.
Não vou dizer que às vezes não me lembro de ti.
Não vou dizer que às vezes não penso em ti e em como estarás tu e a tua vida.
Não vou dizer que às vezes não penso em como teria sido se tivéssemos lutado contra isto tudo.

Mas sabes? Já não me interessa. E é isso.
Só isso, que neste momento me dá pena.
Gostei tanto de ti, sonhei tanto contigo e connosco que quando penso em como tudo mudou, sinto-me um tanto triste.
Talvez porque sei que podíamos ter sido mais do que felizes. Ou então porque continuo a amar-te que nem uma coitada.

Mas tu decidiste seguir a tua vida. E eu tive de lidar com isso.
Nem te preocupaste comigo e com o que eu sentia. Magoaste-me como nunca deixei que ninguém me magoasse.
Estava tão apaixonada que deixei que usasses e abusasses de mim. Dos meus sentimentos por ti.

E agora? Perguntas.
Agora não me podia sentir melhor.
Sem ti na minha vida.
Às vezes vou ouvir x música que me faz, instantaneamente, lembrar de ti. Só porque sabe bem lembrar velhos tempos.
E fico triste.

Era tão doce nessa altura. E tão fria e distante que me tornei.
Criei este escudo horrível que não permite que ninguém se aproxime de mim. Tenho saudades minhas.
Destruíste-me da maneira mais bonita possível.
Era bom que todos os nossos problemas estivessem relacionados com o amor.
Nada como uma boa dose de chocolates, calorias e mais calorias e um bom filme de comédia romântica para acabar com a deprimência. Ou melhor, para deprimir ainda mais.

Às vezes precisamos desses serões com a nossa própria companhia e chorar, chorar e chorar.
Posso dizer que este tipo de serões são comuns na minha vida. Na minha vida de… merda?
Agora estás sei lá onde a fazer sei lá o quê com sei lá quem.
E penso.
Coitado.

Perdeu a melhor coisa que podia ter na vida.
Eu.
Posso ter um feitio de merda mas como eu não vais encontrar ninguém.
Podias ter sido tão feliz comigo.
Podias.
Mas não vais. Boa sorte com a tua nova paixão.
Vou esperar que o karma faça o seu trabalho. Ate lá? Tenta ser feliz.
Sem mim.

PORJéssica E
Partilhar é cuidar!