Saudades de minha Avó!

Nunca me esqueço de ti, mas tem dias que a saudade bate mais forte, tem dias que só queria poder voltar no tempo para te abraçar novamente e poder sentir a força do teu amor num simples abraço.

Tem dias que a distância machuca bem forte e parece que nada poderá ajudar essa dor que tua ausência provoca.

Sabes Avó tenho saudades dos carinhos que partilhávamos, daqueles segredos que me pedias para guardar quando querias comer um doce e sabendo que não podias pedias que guardasse segredo e prometias que era só dessa vez.

Mas lá no fundo eu sabia que não, pois conhecia bem o teu esconderijo, aquele onde guardavas os teus bolos para que ninguém soubesse que comias em segredo. Sabes Avó até te achava tanta graça, porque era divertido ver-te comer os pedaços que tiravas do bolso e que tentavas disfarçar.

Sinto saudades de te ver sentada à janela a ver as pessoas passarem e nesse espaço de tempo reclamavas de cada carro que passava e dizias que eram carros a mais e eu dizia-te que também sabia que gostavas de passear de carro e os outros eram como tu e claro muito séria respondias que o carro do meu pai bastava!

E quando ouvias as noticias na tv e reclamavas daqueles senhores que com a mesma idade que tu iam para a universidade e eu tanto quis ensinar-te a escrever teu nome  e como sempre em tom bravo dizias que não precisavas disso pra nada e que burro velho não leva ensino!!!

Oh Avó tantas saudades!

E quando eu te chamava de “minha velhinha” tu ficavas tão brava comigo e dizias que velhos eram os farrapos.

Tenho saudades de ti Avó, foste a minha segunda mãe e nunca me deixaste faltar nada,não eras rica em dinheiro mas o que herdei de ti dinheiro nenhum paga.

E que triste aquele dia quando te ofereci a rosa branca e disse que te estava a oferecer para que ela te desse paz, nunca irei esquecer as lágrimas escorrendo pelo teu rosto, acredito que sabias que seria o fim, cortou-me o coração pois no fundo eu sabia que seria a última vez que te veria olhar para mim. Então falei do meu casamento para que tu te distraisses pois sabia o quanto querias lá estar comigo, sabia o quanto gostavas do meu marido e claro o quanto gostavas de passeios e festas.

Dei-te minha mão e beijei teu rosto enquanto choravas e sorrias, já não falavas mas teu rosto respondia a tudo.

Passado poucas horas o meu mundo desabou, pois por mais que a gente saiba nunca estaremos preparados para tamanha dor.

Oh Avó que saudades tenho de ti e que falta tu me fazes.

Para mim continuas aqui bem pertinho pois os que amamos nunca morrem se viverem dentro de nós.

Nunca vou esquecer tudo o que me ensinaste, como me criaste repleta de amor e doçura.

Eras uma alma pura, a minha doce e ternurenta velhinha que mesmo rabujenta eu amava incondicionalmente.

Sei que onde quer que estejas estas palavras chegarão até ti porque o verdadeiro amor nunca morre, porque o verdadeiro amor pode tudo.

Tenho saudades tuas Avó e continuo aqui amar-te como sei que sempre amarei!

PORJoana Brito
Partilhar é cuidar!