Queria dizer-te…


Queria dizer-te que depois do momento em que foste embora, sem teres dado valor e com o simples motivo de “não sei o que sinto”, aqui ficou tudo bem.

Os dias continuam grandes e corajosos. Embora ao final da tarde desse um aperto no coração que me fizesse ter receio da longa noite que se avizinhava. Mas correu tudo bem.

Queria dizer-te também que não foi fácil, mas tu não sabes o quanto valeu a pena.
Às vezes só precisamos voltar a ter aquele momento para entender que não o queremos mais.
E foi isso que aconteceu.

Queria dizer-te que foi difícil entender que eras assim. Era a tua maneira estranha, a tua auto-defesa, a tua maneira de não te apegares a ponto de não conseguires voltar. Mas tenho a dizer-te também que normalmente o amor quebra isso tudo.
Mas a ti não quebrou.

Queria só deixar-te na ideia que dormi mal a maior parte das noites, pensava bastante “porquê? Que fiz eu de errado?” e adivinha, não obtive resposta.

Pedi a sei lá quem, que de alguma maneira te trouxesse de volta… e o certo é que trouxe.
Mas eu já não estava a mesma.

Queria dizer-te que o nosso momento foi bom, mas não compares a todos os outros que tivemos antes de ires embora.

Só quero que saibas que já nada é igual aqui. Eu sou eu, mas mais forte. Mais completa, mais segura e confiante.

Eu já tenho a certeza que não me apaixonei tanto assim como eu pensava e mais ainda, tu é que acabaste por te apaixonar.
Só que saíste antes de abrires mais o coração.

Queria dizer-te que não se pede desculpa por algo que se faz involuntariamente. Tu pediste tantas vezes “desculpa” por seres genuinamente tu, por dizeres que me amavas, por demonstrares que era eu a tal… que percebi que o amor esteve sempre aí. No teu coração.

Querias tanto mas odiavas-te tanto por isso, que desististe fácil.
Mas bem, agora é tarde para qualquer coisa.

Eu só queria dizer-te que eu apaixonei-me pela pessoa errada… mas espero que te perdoes por te teres apaixonado pela pessoa certa e a teres deixado ir, assim.