Que Portugal é este?!

A situação catastrófica que se tem vindo a registar no nosso país, no que diz respeito aos incêndios, tem-me obrigado a parar para reflectir sobre este país que teimamos em apelidar de “nosso”. Não reconheço o país onde vivo, sinto que esta nacionalidade e este povo não me pertencem num país que teima em mostrar-se grande aos olhares dos outros: em infraestruturas, políticas e políticos.

Portugal é um país simples e pequeno, lento, instável, muitas vezes desprovido das coisas mais básicas, inseguro e por vezes triste não nos deixemos enganar a nós próprios pela grandeza em que os partidos políticos nos fazem acreditar. Todos sabemos que é uma grandeza fantasma, mentirosa, inexistente. Portugal tem limitações, muitas limitações, tem escassez de pessoas, de bens, de infraestruturas, de boas políticas e de serviços, a justiça funciona mal, as escolas tentam todos os dias ser melhor, os alunos fogem para o estrangeiro procurando aquilo que Portugal não pode dar.

Portugal tem que fazer por ocupar o seu devido lugar, já dizia o ditado que: quanto mais se sobe, maior é a queda. E infelizmente, Portugal tem vindo a cair muitas vezes, mais do que aquelas que seria de esperar.

Que Portugal é este, onde os políticos e as suas péssimas políticas deveriam ter por obrigação de darem o exemplo perante o seu povo; mas fazem precisamente o contrário?!

Que Portugal é este, onde os políticos se centram nos seus interesses pessoais, pecam pelas suas parcas atitudes e comportamentos, e se orgulham das mentiras que dizem e das más decisões que tomam?

Que Portugal é este onde se rouba, se desvia, se lesa, se maltrata, se escraviza, se dá aos ricos e se tira aos pobres, onde se esperam 12horas num hospital para se ser atendido, onde se luta por uma vida melhor todos os dias (e ninguém quer saber…) enquanto o povo enche estádios para dar primazia ao futebol?!

Que Portugal é este, onde se teima em dizer hoje uma coisa e amanhã dizer e fazer outra completamente diferente?!

Que Portugal é este onde se dá primazia a políticas mal-concebidas e a políticos mal-formados em detrimento do bem-estar do povo?!

Que Portugal é este, onde há mais pessoas reformadas que pessoas a contribuírem para o desenvolvimento do país?!

Que Portugal é este, onde emigram mais jovens e adultos do que aqueles que cá permanecem?!

Que Portugal é este, onde as crianças vindouras não podem ter um futuro risonho?

Que Portugal é este, onde os licenciados são escravos e os reformados pedintes?!

Que Portugal é este, onde o governo inaugura coisas e viaja mais do que as decisões que toma?!

Que Portugal é este e que sociedade é esta tão hipócrita e egoísta, preconceituosa e desumana?

Que Portugal é este onde se oferece menos que o salário mínimo a quem trabalha e pensões vitalícias a banqueiros milionários e maus gestores?

Para muitos Portugal é símbolo de Vinho do Porto, do santuário de Fátima, de praias Algarvias, de Pastéis de Nata, de noites no Bairro Alto, de Cruzeiros no Douro, festas, arraiais e fogo-de-artifício. Mas esse é um lado à parte do nosso país, a realidade é outra e pouca – muito pouca gente – se foca nela. Passa-lhes ao lado, porque é melhor não parar para pensar nos problemas de que Portugal é feito.

É preferível, atirá-los para trás das costas e viver calmamente a nossa vida. Não vamos encher a cabeça com os problemas dos outros porque temos mais que fazer.

Têm-nos mostrado e têm-nos feito acreditar numa imagem de Portugal que jamais corresponderá à realidade. Portugal não tem lugar nesse mundo sorridente e de luxo onde nos tentam encaixar sistematicamente à força.

Somos um Portugal humilde, simples e sincero e é assim que devemos continuar a ser.

PORAna Ribeiro
FONTEEscreviver
Partilhar é cuidar!