Quando abrires os olhos verás!!!

No momento em que a tua essência olhar verá que cada pedaço de mim foi teu, mais do que alguma vez foi meu.

Todo o meu corpo latejou ao ver-te partir, mas foi a única forma que encontrei para te dizer o quanto te amava. Se não te amasse tanto ter-te-ia pedido para ficares, preso na ilusão de nunca mais os meus olhos deixarem de ver os teus. Se não te vivesse tanto, pedir-te-ia para me viveres só a mim, do modo mais egoísta que o amor deve ser. Mas não. Deixei-te ir quando me apercebi que o amor já não chega e ele deve bastar por si mesmo.

Decidi magoar-te agora, para um dia não me desfazer em pedaços, e ver em ti alguém em quem apenas paira uma alma que outrora me tinha embriagado de paixão. Sim, porque bebi cada palavra tua, saboreei cada beijo teu e perdi-me no calor do teu toque. Mas enquanto os tempos iam passando sentia-te a ir, a perderes a respiração cada vez menos vezes com o que ambos criamos um dia. De cada vez que essa pessoa voltava a mim, era como que se estivesse drogado de ti, viciado em algo que proximamente voltaria a desaparecer ou apenas levitaria por perto; mas que iria teimar em ir novamente. Essa pessoa, que quando num sopro voltava, vinha cada vez menos frenética e intensa mas com o suficiente para me deixar amá-la.

O ato mais romântico que poderia ter cometido, e também o mais doloroso, foi ter-te perdido, para um dia, não te sentir perdida e com isso, perder-me na raiva de não te ter deixado ir.

Quando abrires os olhos verás que se te deixei partir foi por puro amor.