Problemas de adolescentes…

Hoje é segunda-feira e tive um dia maravilhoso, passei o domingo e a segunda num hotel, super relaxada, distante de todos os meus problemas. Mas com 17 anos que problemas haveria eu de ter, é o que passa na cabeça de  muita gente.

Bem, é até uma boa questão, visto que não tenho contas a pagar, não tenho filhos para cuidar, não tenho um trabalho para gerir, estou de férias, tudo muito bom. Mas tem de se ter a noção que com esta idade não tenho já de me preocupar com isso, as minhas preocupações são muito diferentes disso.

Férias dizia eu, mas fiz dois exames de acesso à faculdade na semana que passou e se não tirar positiva…bem! Tenho de ir à segunda fase e até saber a nota fico na incerteza tendo de estudar sem saber os resultados finais que me esperam. Mas isso é o menos, ou o mais. Neste momento preocupo-me por não ter amigos verdadeiros. Amigos que conheço à anos, os quais convido para tudo, falo sobre muita coisa, que não se preocupam minimamente com o meu estado de espírito, com o facto de não me sentir bem, com o facto de às vezes necessitar de uma palavra amiga e de um abraço bem forte.

Ao longo dos anos fui percebendo que as amizades recentes, raramente são coisas para durar como eram antigamente, mas sinto que as minhas amizades antigas vão durando e sendo esquecidas. Mas isto sou apenas eu a falar, eu que sou sentimental, que sinto a falta das pessoas, a falta de carinho, a falta de amor, isso tudo. Lá está o amor, o amor também não me tem ajudado muito.

Quando finalmente decidi abrir o meu coração por alguém (coisa que já há bastante tempo não fazia) não está a correr nada bem. No início da relação corre sempre tudo muito bem, como é de esperar, mas depois parece que as coisas se vão apagando, o interesse deixa de existir ou não é demonstrado, a pessoa não te trata como diz que merecias ser tratada, resumindo torna-se naquilo que já sabemos, por suposta falta de tempo e mau estado psicológico do teu parceiro, coisa que já todos ouviram como justificação para acabar um namoro.

Como se isto já não bastasse há sempre alguém que nos chateia a cabeça em casa seja com problemas que não te dizem respeito nenhum, mas que te incomodam profundamente quando estão a acontecer à tua frente, seja com coisas mesquinhas como “ainda não fizeste as tuas tarefas diárias”, “já são horas de acordar não achas?”, “não vais dormir, já não é nada cedo” aquelas coisas típicas de pais que ninguém gosta de ouvir.

Resumidamente o que adianta ter “férias”, “relação”,”amigos”, “dinheiro”, entre outros, se nada disso te faz feliz? Cheguei a um ponto em que começo a gostar demasiado de passar momentos sozinha. Só que isso não me parece muito bom, daqui a pouco tempo se calhar também me farte de mim como todas as outras pessoas que convivem comigo.


RELACIONADOS




PELA WEB

Loading...