Prisão de um falso amor…

Quem nunca pensou sobre esse tema? Se algum dia iria amar alguém? Se ia ser reciproco? Quem nunca se sentiu numa prisão imaginária iludido por um falso amor? Pois é, isso mesmo. Muitas vezes pensamos que encontramos o amor das nossas vidas mas é tudo para disfarçar a insegurança de uma baixa auto-estima.

Sim!! Exato, INSEGURANÇA… calma, vou explicar…

Quem aqui tem dúvidas de como um relacionamento é?

Conhecer – interessar – conversar – conversar por dias – apego – beijos (etc…) – saudade – paixão – casar – amor (…) Se não é assim, é quase, o foco aqui é que o apego vem antes da paixão e do amor.

Então vamos lá pensar, quem nunca ouviu alguém reclamar no próprio namoro? E quase sempre perguntamos “porque não acabas com isso?” e a pessoa responde de quase tudo, inventa mil argumentos mas de todos eles em nenhum foca o sentimento:

“Ahh ele trata-me bem”;

“Começar tudo de novo com alguém?”;

“Mas brigas todas as relações têm”;

“Não quero ficar sozinha”;

(…)

Isso para mim só quer dizer uma coisa: APEGO! Sei sim do que falo, demorei para entender que era isso… Sabem aquela frase: “enquanto não encontro a certa divirto-me com as erradas?”, sim, à vontade, faz isso… mas talvez a “certa” não se aproxima por pensar que tu és o errado!

Continuar um namoro por apego ou ficar um tempo solteiro para conhecer as opções?

Enquanto namoramos é difícil conhecer alguém para pôr a possibilidade de uma relação duradoura com outra, então ficamos “fechados” para novas experiências. E como ter o auto-conhecimento para sabermos o que queremos ou não se temos medo de viver e sentir intensamente novos “amores”?

Por incrível que parece senti-me muito melhor com o fim de uma relação-apego, no início foi difícil, muito, mas foi só conhecer outra pessoa que lá estava eu: apegada de novo. E onde foi parar aquele amor incontrolável que sentia pela outra pessoa? Não passava de uma atraente ilusão.

Só que e agora? O que fazer depois de conhecer inúmeras pessoas e apaixonar-se por alguém no momento mais errado? Bom, não existe momento errado para isso. Existe o medo de tentar, de se aprisionar numa nova ilusão… não existem regras ou qualquer outra formalidade para sentir e viver o momento, vive sem medo, faz, fala, age, reage, e aproveita, pois tudo que precisamos são de bons momentos para rechearmos a vida com felicidade.

E então? Ainda estás preso nessa corrente sombria?


RELACIONADOS




PELA WEB

Loading...