Porque escrevo?

Porque escrevo? Porque escrevo com emoção? Porque é que me faz bem? Como umas simples palavras me transportam para outro universo?

Não me paro de perguntar. Chega até ser cansativo pensar em tal coisa, mas porém o curioso é que nunca me canso de escrever os meus típicos testamentos.

São aquelas perguntas da vida que nunca terei respostas, serão os meus pequenos enigmas da vida dos quais terei orgulho em desvendar.

Sei que não sou a única a me sentir assim. Eu não me estou a queixar, pois sinto-me bem ao escrever, por vezes melhor que desabafar com alguém. Sei que as minhas palavras serão a minha própria cura. Posso falar com pessoas que me amam, mas assim esclareço-me comigo própria.

Agora estou aqui… A escrever o que penso, sobre o que escrevo, e como escrevo e porque escrevo. Parece estúpido e estranho mas para mim é normal, sentindo-me então perfeitamente anormal. Pois só eu é que sei como me sinto e ninguém tem nada a ver com isso. Como se diz I LOVE HATERS.

PORCarla Barbosa
Partilhar é cuidar!