Perdi-te, e nunca mais me encontrei.


Como tu, também não consigo exprimir aquilo que sinto com palavras, nem nada parecido, no papel tudo parece mais fácil de expor, por isso faço-o hoje, como tu sempre o fizeste e tens feito.

Às vezes, pensamos que aquilo que lemos pelas redes sociais são apenas clichés, que as coisas não são realmente assim na vida real, e que podemos viver no nosso próprio mundo com as nossas próprias crenças, e para mim tudo isso é verdade, mas um dia encontrei uma que me marcou. Dizia-me para nunca trocar aquilo que quero para a minha vida, por aquilo que quero no momento.

Talvez tenha ignorado no momento, mas acabei por ter de acreditar nela inevitavelmente, porque eu perdi.

Perdi o teu abraço, perdi o brilho dos teus olhos quando me vias, que me aquecia por dentro como um fogo devastador que ilumina na escuridão, perdi a tua amizade, perdi aquilo que mais amava.

Tudo por um momento. Um momento que nada de bom trouxe, porque momentos são mesmo só isso, algo que passa rapidamente, desculpa por ser ter percebido isso depois.

E agora pergunto-me “O que é que eu ganhei?”, e infelizmente sei a resposta. Apenas “ganhei” o teu silêncio, que é ensurdecedor, e me rasga por dentro como uma faca que lacera os meus órgãos vitais, “ganhei” a nova forma como me olhas, sem brilho e carregado de dor, “ganhei” a dor de saber que nunca vou poder voltar atrás, e que perdi o amor da minha vida.

Perdi-te, e nunca mais me encontrei.