Pequeno Suspiro!

A cada palavra solta-se uma lágrima.

Dizem que só vivemos intensamente se sentirmos intensamente. Sem dúvidas, então, que ninguém vive mais intensamente que eu. Eu que sinto tão intensamente cada pequeno momento, cada pequeno gesto, cada pequena palavra, cada pequena emoção. Cada pequena emoção que transformo em profundo sentimento. Porque se é para ser intenso, então que seja. Que se sinta desta forma. Com todas as alegrias e todas as dores. Com todas as surpresas e todas as desilusões. Com intensidade.

A cada palavra solta-se uma lágrima.

Dizem que quanto mais pensamos sobre algo, mais gostamos disso. Sem dúvidas, então, que eu gosto intensamente. Porque o meu pensamento está mais abrangente do que alguma vez imaginei.

E a cada pensamento soltam-se duas lágrimas.

As palavras são fortes, porém, os sentimentos são avassaladores. Com esforço, domino as palavras. Os pensamentos não é possível, são demasiado livres.

A cada minuto que passa, o coração contrai-se. Fica pequenino e pesado. Pequenino, do tamanho de uma ervilha. Pesado como uma tonelada. Encolhe-se e condensa todas as emoções. Tento expeli-las, mas sem sucesso. É difícil confessar, admitir e até mesmo apenas ponderar sobre aquilo que poderá causar este efeito. No fundo, sei que sei.

A cada palavra solta-se uma lágrima.

E a cada pensamento soltam-se três lágrimas.

A cada emoção soltam-se todas as lágrimas do mundo.

De todas essas lágrimas, não há nenhuma que se desprenda deste castanho rasco. Talvez quando estiver sozinha, no silêncio de um sítio qualquer, na ausência de todos, talvez aí, todas as lágrimas soltas deslizem, finalmente, por este rosto melancólico.

A cada palavra soltam-se-me as lágrimas. Descarrilam-se-me os pensamentos. Cristalizam-se-me as emoções. Converge-se-me o coração. Pequenino e frágil como um balão. Suscetível de, a qualquer instante, ser picado e rebentar. Pequenino e pesado, bloqueando-me os passos pela impossibilidade de o transportar em bruto.