A paixão que nos mantém vivos…

Talvez sejam as palavras que ficam, a saudade que sinto de ti e a vontade de abraçar-te: neste instante. Talvez sejam as recordações, as memórias, as histórias, que me arrastam para a falta que me causas, para a certeza de que te amo, para a firmeza deste meu sentimento.

Talvez sejam as horas que passam, os minutos que correm e eu aqui… à espera que o destino nos enlace (para sempre). Talvez me sinta incompleto, incompleto na ausência da metade que tu representas, do meu coração que só tu tens, dos meus sonhos que apenas sonho… contigo.

Talvez é na noite que me sinto despido, despido destas barreiras que crio, destes sorrisos que disfarçam o que quero, que atenuam o que espero, que desesperam ao pedir por ti. Talvez, jamais, seremos um fim, porque este nosso amor é mais forte do que a distância que nos separa, é mais guerreiro que qualquer medo, é mais intenso do que qualquer segredo. Este nosso amor… é a paixão que nos mantém vivos.

Talvez precise de ti agora, sem qualquer demora, sem metades, sem desculpas. Talvez sejam estas verdades que preciso, estas vontades de agarrar a mala e sair pelo Mundo, agarrar-te e abraçar-te num abraço profundo – dando-te tudo aquilo que mereces. Talvez sejam estas minhas palavras que te tocam, que tocam a tua pele e que te fazem arrepiar. Talvez o meu lugar seja neste mar mas… eu sei que posso ser sempre um rio. Porque em qualquer lugar, porque em qualquer vida… serei teu. Apenas, teu…