Paciência…

Paciência, dói, mas é a dor do amor
É a dor de esperar por quem não aparece
É a dor que pertence à parte do esquece

Como eu não consigo esquecer
Fico a lembrar apenas aquilo de que não me lembro
Não tenho medo de perder o que não tenho
Tenho medo de perder o que perdi
Sabes que não sou nada sem ti

Sabes muito bem que sozinho ou sozinhos
Não somos ninguém
Mas eu chamo por quem…

Por ti!

Estou contigo neste momento
Estou contigo a cada dia que passa
Mas sabes, amar mata
E eu estou a morrer por ti

Anda aqui, ter comigo, devagarinho,
Onde for o teu, é também o meu ninho
Não te consigo ver, mas consigo
Consigo imaginar-te, és como arte
Como a mais perfeita das imperfeições

Beija-me. Como as ondas do mar,
Que nunca mais acabam…