Olá, tudo bem?


Olá, tudo bem? Suponho que sim. Mais um dia normal na tua vida, certo? Para mim não. A minha mente tem dado um nó, sabes? Não consigo, tudo me faz pensar em ti. Olho em volta, observo um casal na sua rotina habitual: como gostaria de estar contigo, de te dar a mão, de beijar-te. Mais 3 horas de aula: 3 horas contigo fariam toda a diferença.

Lembro-me da frequência que tenho amanhã, mais um tempo a estudar: como gostaria de o fazer a teu lado, enquanto vês o futebol. Deito-me ao fim do dia: como gostaria de deitar-me ao teu lado, ouvir-te contar como foi o teu dia, adormecer nos teus braços.

Acordo: como gostaria que fosses a primeira pessoa que visse pela manhã, entregando-me a ti de forma a começar bem o dia e finalizar preparando-te umas torradas e o café matinal. Decorre o dia, problemas surgem: como gostaria de estar contigo nesses momentos. E após a correria, chega de novo o fim do dia: como gostaria de chegar a casa e poder receber-te com um sorriso.

Um dia conto-te. Um dia conto-te o quanto te amo. Só não sei quando. Porque na verdade não tenho como, não está dentro do meu alcance. Não tenho palavras. O efeito que tens em mim é fora do normal. É como te digo: tiras-me do sério, em todos os sentidos. E não é que eu gosto? Um dia conto-te.