O Viajante…

– Oi, queria ver calças de homem por favor

– Claro! Esta parte toda aqui, temos os mais variados tons de jeans, qual o número?

**

E foi assim que eu fingi ser vendedora de uma loja, ou era isso ou era apenas apaixonar-me por mais um aleatoriamente na rua, aqueles olhos azuis fascinavam qualquer um, cabelo preto, pele branca e um cheiro tão bom que já atraia qualquer uma… Mas o que eu não sabia é que ele demoraria tanto. Até que um dia o telefone toca…

– Oi, é a Isis?

– Sim, quem fala?

– Um admirador secreto

– Ah sim!

E desliguei…. Mas em seguida arrependi-me… e se era o dono daqueles olhos lindos? Bom… se ele queria-me ele iria arranjar outras maneiras de conhecer-me. Foi então que ele descobriu onde eu realmente trabalhava depois das aulas, passou a frequentar aquele lugar e eu fingi que nem o conhecia, tratava-o igual a todos.

Até um dia ele foi direto e queria ver-me no dia seguinte, e não parou até eu concordar, só que o único tempo livre que eu e ele tínhamos era antes da minha aula, ou seja antes das 8h da manhã!!! Como assim??? Quem quer tanto uma pessoa que é capaz de acordar tão cedo só para uns minutos de conversa pessoalmente??? Bom… só podia ser aquele homem…

6h30 toca o despertador com aquela musica irritante, frio, tudo em silêncio, tomei banho, vesti aquela calça que põe o corpo bonito, aquele decote… o meu melhor perfume e antes mesmo de eu abrir a porta eis que surge a primeira mensagem: “bom dia princesa, estou na padaria”. Claro que esse foi o primeiro encontro mais incomum que tive!! Numa padaria!! O único lugar aberto ás 07h da manhã!

Cheguei lá, ele cumprimentou-me com um beijo no canto da boca, automaticamente um sorrisinho safado apareceu no meu rosto e ele percebeu tudo. Experiente, viajado, e por onde passava conquistava corações… Como eu sabia exatamente o que ele queria fiz-me de ingénua, inocente e fofa… até porque ainda tinha idade para isso.

Em questão de minutos estávamos num beco perto da minha escola onde não se sabia quem era quem ali, mão aqui e ali, beijos intensos, e olhares provocantes… Como eu só queria confundi-lo olhei-o com aquela típica cara de: quero mais, e logo em seguida disse: “já são 08h tenho que ir para a aula”. Dei um beijo no canto do lábio e fui embora sem olhar para trás.

(As Cartas da Isis)