O que se aprende num ano


Mais um ano que vai mais um que entra.

Não foi um ano fácil, mas no meio de tudo deixei de ser a menina que era…

Senti o real significado de “ficar para trás” e ver quem mais confiava e me apoiava seguir em frente sem mim e sem sequer pensar duas vezes ou olhar para trás, para mim. Engraçado como costumava acreditar em tantas palavras… como um “estarei sempre aqui, quando precisares” deixou de fazer sentido. Como um abraço me fazia esquecer da ansiedade e dos medos. Mas bem… dizem que é a vida. Aprendi a ser forte sozinha, a menina que fui fugiu. Não sei ser como era.Tenho medo que se tenha ido para sempre… Talvez na vida crescemos e vamos deixando bocadinhos nosso por aí, nos cantos que nos tocam, nas pessoas que amamos e nos momentos que partilhamos.

O que fazer quando o mundo desaba e todos te olham como a força da natureza que resolve tudo, que está sempre bem? Metemos um sorriso na cara e o mundo aos ombros, o mundo dos outros. Eu estava partida por dentro e consegui durante muito tempo aguentar por todos à minha volta, eles precisavam de mim para levantar os seus mundos, eu aguentei muito para parecer que tudo estava bem mas isso quase foi o meu fim. Demorou para perceber que mesmo estando destruída por dentro eu não precisava continuar assim. Tive de meter um travão e passar a ser talvez um pouco egoísta e pensar mais no meu mundinho. E assim me foquei em mim.

Este ano foi para mim um dos mais difícil que já passei, um furação de emoções tão confusas umas vezes e tão nítidas noutras. Há pouco tempo consegui voltar a sonhar, coisa que tinha sido substituído por pesadelos… Mais do que nunca tenho certeza de quem sou, com quem posso contar e quais as verdadeiras prioridades, mesmo com o coração partido.

Não deixei de acreditar no amor, mas ele não me parece tão bom e simples como era, perdeu um pouco da magia e do brilho. Afinal às vezes o amor não chega e eu inocente que era, pensava que sim. A vida conseguiu me ensinar o quanto estava errada.

Por um lado conseguiram me tirar o tapete dos pés, mas por outro consegui arranjar forças, animo e vontade de recomeçar, de sorrir, de viver, de me apaixonar, de deixar para trás o que não consegui entender. Aceitar que as pessoas são egoístas e medrosas. Que podem saber o que querem mas é preciso coragem para ir atrás. O medo é uma merda. E eu o perdi… O único obstáculo que tenho na minha vida sou eu. Sabendo isto a vida ganha outro sentido, outro caminho.

Aprendi que fui o suficiente, e continuo a ser… as pessoas têm de aprender a deixar de ser pequenas e se conformarem com a vida, apenas por medo.

Este ano me trouxe muitas tempestades mas foi com elas que aprendi a ser forte e a ser a mulher que se escondia numa alma de menina. Todo o potencial está aqui, todos os dias trabalho para ser melhor que ontem, porque meus amigos isto é apenas o começo. Não há nada nem ninguém que possa parar o meu crescimento e os meus sonhos. Não um coração partido nem caras fechadas. Quem quiser seguir esta viagem comigo é bem vindo, quem quiser atrapalhar é só esperar e ver o quão grandioso é o meu caminho.

Desejo bem a todos, os que passaram, os que ficaram, os que se foram e os que estão para vir. Apenas sejam felizes, vivam bem e que se lixe o medo, a vida é curta demais para isso.