O nosso segredo…

Talvez nunca te tenha contado, mas amei-te desde o primeiro momento, desde aquele instante em que me beijaste os lábios, em que o sonho pareceu bem maior que nós, em que fomos os dois, em que fomos um só… coração.

Amei-te naquilo que em mim faltava, nos projectos de viver um futuro real, um amor eterno em cada história que vivíamos: juntos. Talvez nunca te tenha contado, mas foste sempre tu quem eu procurei, foste sempre tu quem eu pedi – nas noites em que me deitava e em que segredava ao meu peito que queria ser feliz, que queria viver um amor diferente de todos aqueles que já tivera antes vivido.

Talvez não saibas mas… desde o segundo em que te conheci, soube que era teu por mais que negasse a mim mesmo, que te pertencia com tudo aquilo que era, com todos os meus medos, com todas as minhas vontades e com todas as falhas que aceitaste como tuas.

Talvez nunca te tenha contado, mas foste tu quem me ensinou a amar desta forma tão verdadeira, a amar sem medo de falhar, a saltar o abismo, a correr o risco, a sentir a adrenalina de querer ser mais, de querer ser um homem melhor – bem melhor do que aquilo que era: antes de ti.

Talvez eu nem sempre te tenha digo, nem sempre te tenha confessado mas soube que era a teu lado que podia acreditar naquele futuro (que tanto pensei não existir), foste tu que me fizeste ficar, não 5 minutos, não uns dias mas… uma vida inteira, uma vida que tenho a sorte e descobrir a teu lado, de sentir a teu lado.

Talvez nunca te tenha contado, nunca te tenha confessado que me entreguei a ti sem qualquer resistência, sem qualquer barreira que me impedisse de ser eu, de ser eu de todas as formas, de ser eu de qualquer maneira, de ser um homem sem máscaras e sem papéis definidos.

Foi a teu lado que descobri a liberdade, que rompi as amarras e que me entreguei ao prazer de amar o corpo, de viver um desejo louco, de me sentir vivo: em espasmos de desejo.

Talvez foi naquele primeiro beijo, naquela noite em que o luar caía sobre nós, que eu passei a amar-te com todo o meu coração, que demos vida à paixão, que demos alimento ao nosso coração. Talvez nunca te tenha contado, mas foste tu e apenas tu que deu sentido ao meu destino, quem me fez acreditar num rumo. Foi só nesse teu olhar que me perdi, que me perdi para me encontrar no nosso abraço.

Amo-te.