O meu maior erro foi ter-te deixado ir …

Quero que voltes, sei o quão egoísta e absurdo é da minha parte dizer tal coisa, apercebi-me disso assim que o disse, mas não há nada que eu queira mais do que ter-te de volta comigo, lado a lado.

E mesmo após todo este tempo ainda não consigo imaginar uma vida sem ti. Deixaste o meu mundo a preto e branco com a tua partida, preciso tanto que voltes.

E agora que finalmente consigo dizer tudo aquilo que sempre desejaste ouvir, já cá não estás. Qual é o sentido da vida se tudo o que realmente importava deixou simplesmente de ser relevante?

Não sei ao certo o que fazer, deixaste-me numa posição em que cabe a mim escolher e eu nunca fui boa a tomar decisões. Esse sempre foi o teu ponto forte.

Por um lado sinto-me livre por não te ter, mas só eu sei o quão amargo é sentir a tua falta e não te poder ter. Fui estúpida ao ponto de te deixar ir quando tudo o que era necessário para te fazer ficar era apenas dizer-te que precisava de ti e que sempre te amei mais do que o que alguma vez fui capaz de demonstrar.

Sei que me queres mas custa-me acordar e não te ter ao meu lado na cama. Nunca percebi ao certo qual foi a razão que levou à nossa separação, sempre achei que se havia algo que tínhamos em excesso era amor.

A verdade é que sempre te amei, mesmo quando não era capaz de te o dizer, mesmo quando te odiava, mesmo quando te dizia que ficava melhor sozinha.

Tudo o que eu mais queria neste momento era uma oportunidade para voltar ao tempo em que ainda me olhavas nos olhos e me dizias que era a tua luz. Uma oportunidade para recomeçar, para te tratar como sempre mereceste ser tratado e como eu  nunca fui capaz de te tratar. Para ser na totalidade a rapariga pela qual te apaixonaste.