Nos dias de hoje…

Não sei porque digo ou faço certas coisas, às vezes, penso, que todos de modo geral acabam por pensar sobre isso quando no adormecer quotidiano cansado do dia igual e, no entanto, sempre novo, sempre inédito até ao momento que se concretiza, pensam no futuro ou se querem viver de igual forma, ou até se podem evitar o rumo dos acontecimentos que desejando ou não se vão suceder.

Para mim o fardo da vida ao contrário do fardo de viver parece ingrato; perdi a calma, ao longo do tempo, por vezes, não sei se cheguei a possui-la, nem a vida nem a calma. Na minha busca por algum sentido dei por mim a descobrir a importância do outro e como o outro é necessário para o meu próprio EU. Ao observarmos com alguma perspicácia como o nosso nome que, conveniente, referimos como nosso não é, de facto, nosso não só porque, normalmente, não podemos escolher o nosso nome, mas porque é sempre proferido por um outro.

Então como deixar entrar alguém para a nossa vida? Inicialmente é fácil começa ao nascer quando na nossa fase mais vulnerável contrariamos com a maior parte do mundo animal, nascemos frágeis pois precisamos de alguém, primeiro tudo começa na família, um lugar onde nos expomos a aventura do conhecer. No entanto, com o tempo torna-se mais difícil e somos expostos as emoções e sentimentos que marcam profundamente a nossa personalidade.

Nos dias que caracterizamos de modernos e civilizados de hoje já não olhamos para os sentimentos nobres como algo precioso, por exemplo, os tópicos Amizade, Amor, Afecto, Bem-querer é falado por todos, talvez, vivido por quase todos, mas nem sempre perfeitamente.

Como vivê-los correctamente. Não existe fórmula, nem pretendo inventá-la, é o quotidiano que nos mostra. É o quotidiano que nos leva ao encontro do próximo (sim o próximo está efectivamente próximo) e é nesse espaço entre eu e o tu que se pode criar uma relação, que deve ser vivida em constante doação. Isto, provavelmente, tem muito mais a dizer, mas o exemplo é a melhor forma para se compreender e acima de tudo descomplicar.