Ninguém como tu!

”Aquele que durante anos tratei por homem da minha vida passou a ser chamado apenas de melhor amigo, o que já era. Será que o seremos mesmo para sempre? Ainda não encontrei nada que dure tanto tempo, nem perto disso.

Durante dias a fio, horas indeterminadas descobriste a pessoa que ninguém mais descobriu, todas as qualidades e todos os defeitos. Levaste com toda a minha instabilidade. Apercebeste-te de todos os dramas de que mais ninguém se apercebe. Partilhaste e admiraste todos os sorrisos e gargalhadas que carregavam sentimentos. Limpaste as lágrimas que caíram por tristeza e ainda mais as que caíram sem razão. Assim como nós que descemos sem razão e nos degradámos lentamente.

Durante dias a fio, horas indeterminadas crescemos juntos com mais rapidez e intensidade do que um atleta que corre uma maratona e a ganha. Suportamos distâncias e ausências, mentiras e embaraços. Quanto o nível de desejo já ia a milhões, parávamos o tempo. Haverá alguém que me faça esquecer a primeira vez? A linha dos teus braços sobre mim, a forma como resultou instantaneamente. Haverá alguém que vai querer que eu seja tão feliz da maneira como sei que tu queres que seja? Mas há tantas maneiras de se ser feliz. Por vezes até perdido se é feliz.

Durante dias a fio, horas indeterminadas trocámos bons dias, trocámos boas noites, trocámos sonhos e trocámos planos. Até que chegou o dia em que o teu toque já não combinava, o teu beijo já não combinava. Haverá alguém que me faça sentir tão especial como tu fazias? Punhas-me num pedestal e eu vacilei tanta vez que caí.

Quero recomeçar, não virar a página mas sim mudar de livro. Rasgar todas as folhas amachucadas. Passei-te para o meu passado posso nem me lembrar da ti vários dias, e mudei, a vida exigiu que me reajustasse, mas sempre que as horas se tornam insuportavelmente intermináveis é a ti que quero recorrer nem que seja para que me digas que não há novidades enquanto bebemos um simples café numa esplanada qualquer que decerto já presenciou a nossa antiga felicidade.
Vivi como nunca tinha vivido mas quando se vive preso não se vive feliz e chega a hora de soltar a vida e procurar melhor. E há tantas maneiras de se ser feliz.

Permite-me que diga que encontro melhor que tu. Outras bocas, outros corpos, outras seduções. Não um melhor duradouro com quem consiga ter conversas tão rebuscadas como as nossas.
Creio envaidecidamente que não encontras melhor, todos os espelhos me dizem que não… Mas alegra-me saber que melhor, encontras.

Durante horas indeterminadas soube não perder tempo, hoje perco e não posso. Sabes então que não foste tempo perdido mas que há muito mais para além do amor na vida que quero viver. Esse hei de encontrá-lo.

PORMarta, Alentejo
Partilhar é cuidar!