Não me obrigues a esquecer-te…

Não me obrigues a esquecer-te. Hoje dizes-me que já não me amas, que o nosso tempo juntos terminou porque a tua infelicidade é maior. Ontem, dizias-me com um sorriso tolo e apaixonado que me irias amar para sempre, eu a mulher da tua vida. Não quero que saibas mas estou neste preciso momento a conter-me para não te implorar para ficares e tentarmos uma outra vez. Por favor, não me obrigues a fazê-lo.

Se eu tiver que implorar pelo teu amor, vais perder-me para sempre porque nunca mais voltarei a ser eu. Não vês que não quero ficar sem ti? Não vês que te amo mais que tudo? Não, não me obrigues a dizer-to. Não me obrigues a decidir por ti. Sim estás a testar-me e eu sei-o bem, queres que te diga, vai ou fica mas não o farei e não se trata de orgulho mas sim de respeito, por mim e por ti. Não vou decidir por nós, hoje vou deixar que decidas tu por mim. Se fores embora hoje, vais estar a obrigar-me a esquecer-te.

Como és capaz de dizer que não me amas se ao mesmo tempo me dizes que desperto em ti, carinho, preocupação, admiração, necessidade de estar e de partilhar e que te deixo louco de desejo mesmo magoado… O que é o amor se não isso tudo? Tudo bem, eu também desperto em ti raiva, ciúme, desilusão, frustração, tristeza, sim mas entende, se consigo despertar em ti o melhor e o pior, o que é isso tudo se não é amor?

Se esperas só sentir a parte boa de estares apaixonado para o resto da tua vida porque tens medo de sentir mais que isso, então acredita, terás que passar a vida a apaixonares-te uma e outra vez, porque a paixão não dura uma vida inteira e um dia ou acaba ou pede que sintas mesmo mais. O amor, esse sim pode durar para sempre.

Apaixonarmo-nos por uma nova pessoa é sempre mais fácil do que voltarmos a apaixonarmo-nos por alguém que já conhecemos tão bem e tão profundamente que já não se redescobre algo que já não se conhecesse, quanto muito temos um vislumbre do que aquela pessoa é e já nos tínhamos esquecido. É preciso muita vontade de ser feliz é preciso saber como amar, porque se não se sabe dar amor, é muito provável que não se reconheça que o é quando se recebe e tão pouco se reconheça que é amor aquilo que se está a sentir.

Não me obrigues a pedir-te mas pensa bem de onde vem a tua infelicidade porque pode não ser de nós e estás a fazer-nos sofrer. Pondera sobre o que é o amor, sobre o que realmente sentes. Não deixes que o orgulho te cegue, nem que a dificuldade te faça desistir de nós. Todos nós fraquejamos em algum momento da nossa vida, duvidamos, pomos em causa se é ou não amor mas não há nada mais apaixonante do que olharmos para o lado e sentirmos que esse alguém é só nosso e nos ama mais do que nós a nós mesmos. Por tudo isto vou mesmo ter que te pedir, não me obrigues a esquecer-te se ainda me amas!

PORSusana Correia
Partilhar é cuidar!

PELA WEB

Loading...