Não me magoes!

Foi o que me disseste quando nos beijamos pela primeira vez. Começaste a chorar e falaste-me para te proteger, para cuidar de ti e sermos felizes.

Nunca esqueci essas palavras e foram elas que me moveram e, agora, movem para que não te odeie. O que me fizeste foi tão baixo que não consigo entender o porquê. Disseste-me que te tinham feito isso e fiz tudo para estar contigo. O que não se fez foi porque não quiseste. A verdade é que me fizeste igual! Fizeste-me e fazes sofrer imenso e as palavras que me disseste após o fim, foram tão ridículas que mais tarde verás a razão e vais-te arrepender.

Não sei o que te fiz para me tentares vergar assim. Se gostavas de alguém, tinhas a coragem de me dizer e não o desplante de 2/3 semanas depois te enrolares com quem estás agora e ainda dizeres as coisas que disseste.

A realidade é que agora estou muito em baixo, depressivo e constantemente triste a pensar em ti e em tudo. Sei perfeitamente que não vales a pena que esteja assim e que chore por quem apenas me fez sofrer.

Lembraste das vezes em que te disse que te ia proteger? Lembraste de todos os beijos na testa que te dava antes de dormir e de todas as vezes que quis algo de ti e davas desculpas? Fiz o que acreditava e saí a perder, não sou um romântico puro de te levar a todos os lados mas era contigo que eu encontrava a minha paz, mesmo que estivesse chateado. Era contigo que eu vivia e, mesmo com toda a gente a dizer-me as coisas, decidi arriscar e caí.

Espero que, um dia, reconheças o que fiz por ti e te lembres que apesar da distância, falta de tempo, obstáculos e as tuas desculpas, fiz tudo para te ter na minha vida e comigo. Um dia, olharás para mim e saberás que talvez tenhas errado, que talvez me devesses ter mantido e amado. O único “amo-te” que professei foi contigo e choraste. Não sei se por remorsos ou porque entendeste o que sentia por ti, mesmo tu sabendo que promessas e palavras assim não me dizem nada e o tempo está a dar-me razão e a consumir-me a alma.

PORAnónimoAS
Partilhar é cuidar!