Não gosto de ser emigrante… e de faltar onde eu devia estar!

Não gosto de ser emigrante. Não gosto da dor que isso causa. Não gosto da distância que me afasta.

Hoje é um dia mau. Além de hoje, tantos outros já foram no silêncio. Só quem está longe dos que ama é que me compreende. Os outros imaginam.. fazem uma pequena, pequeníssima, ideia. Não poder abraçar a minha mãe quando mais preciso é o pior vazio de todo o sempre. E as vezes nem preciso de mais nada, só  o toque dela aliviava o que quer que fosse. Não poder acompanhar o crescimento dos filhos dos meus amigos que acabaram de nascer. Não conseguir dar aquele abraço apertado à minha melhor amiga que perdeu o avô. Não poder celebrar os aniversários dos meus amigos e fazer-lhes sorrir como todos os outros anos. Não poder estar presente nos pedidos de casamento. Não estar na plateia na estreia do meu grande amigo naquela peça de teatro. Faltar aos jantares, aos eventos duma vida, aos funerais, aos nascimentos, aos casamentos. Faltar onde eu deveria estar. Não há um único dia que não me lembre de todos os que fui obrigada a deixar. Não há um único dia que não custe não poder fazer-lhes uma simples chamada e dizer “Vamos pôr a conversa em dia e comer uma francesinha?” ou receber aquela chamada “estou farto de estar em casa, preciso de ir apanhar ar. Vamos comer um gelado á beira mar?”.  Vocês fazem-me falta.

Não sou infeliz. Tenho um emprego de sonho apesar de ser extremamente cansativo e por vezes o stress e o inesperado não ajudam a chegar a casa de coração cheio. Mas quem não gosta de viajar pelo mundo enquanto trabalha? É certo que para morrer basta estar vivo e que de um segundo para o outro tudo muda mas por estar num emprego de risco comecei a sentir as coisas mais intensamente.

Todos os dias ao descolar e aterrar me passa pela cabeça “E se foi a última vez? E se não o/a vejo mais? Disse tudo o que queria?”. Aquele jump-seat já sabe mais segredos e histórias da minha vida do que eu poderia imaginar. Ainda são uns 15 a 20min de pensamento profundo e silencioso em que tudo me passa pela cabeça. Descolamos e penso “mais um já está. Agora que não haja turbulência severa e que a aterragem seja tranquila!”. Esta incógnita cria em mim borboletas na barriga e a adrenalina até que dá um gozo á coisa. Mas fica sempre o desassossego até as rodas do avião tocarem outra vez no chão seja em que país for. É que se assim não for, vai sempre ficar muito por dizer, muito por contar, muito por ver e ainda mais por viver.

Ser emigrante fez-me perceber o que achava que já sabia há muito. Achava que sabia quem eram os amigos , quem me ia fazer falta, que as saudades eram passageiras, que estar num país diferente é que é fixe. Estava enganada em quase tudo. Não gosto de ser emigrante mas sê-lo deu mais sentido ao que dantes era “só” importante.


RELACIONADOS




PELA WEB

Loading...