Nada veio, nem uma mensagem, nem um sorriso teu…

Tantos desejos de mil cores.
Por eles construí barquinhos de papel.
Pintei-os com tons de mil sabores.
Lancei-os ao mar com uma esperança, fiel.



Por águas frias ou quentes.
Teriam que por esses mares, navegar.
Há muito que partiram, esquecidos, ausentes.
Não sei se chegaram, se aportaram num remoto lugar.

Por cada cor, um pedido por realizar.
Por cada barquinho, um sentimento meu.
Nada aconteceu, a esperança está-se a acabar.
Nada veio, nem uma mensagem, nem um sorriso teu.