O monstro da ansiedade

Sim, sou uma pessoa nervosa. Não notas, porque a minha voz é calma, o meu sorriso é meigo e os meus olhos expressivos. Sou nervosa sou. Sou tão nervosa que o meu couro cabeludo estala todo e faz-me parecer saída duma queda de neve.

Mas não faz mal. Já faz tantos anos que ele estala e eu compro shampoos caros que não funcionam que o deixo estalar.. afinal, é só a casca do vulcão a rachar… Mas continuo a falar baixo e a sorrir enquanto escoa lava pelo ombro, braço, até cair a gota pelo dedo no chão.

Eu sou nervosa. Sou mesmo muito, daquelas nervosas que se se vê numa situação de pânico lhe parte uma dormência do coração que vai parando todos os seus movimentos. Mas está tudo bem. Sou nervosa ao ponto de ter uma dor e acreditar no exato momento que vou morrer no dia seguinte.E de não conseguir pensar em mais nada.

Sou nervosa, sou ansiosa. Mas tu não sabes, porque eu sorrio como se estivesse o mar mais calmo dos últimos 100 anos. Mas por dentro, cá dentro, lá no fundo está lava escaldante a borbulhar. Borbulha uma infância difícil, triste. Borbulha o abandono de um pai, borbulha a indiferença de um padrasto, borbulha a doença bipolar e depressiva de uma mãe.

Lá dentro borbulham emoções que também queimam. Borbulham ‘pequenas’ coisas que ‘já passaram’, que ‘lá foram lá foram’ e que no fundo me moldaram no que sou hoje. Borbulham sentimentos tristes, pesados, atmosferas de cortar o ar, traições, medo, desespero! Lá dentro borbulha uma criança que nunca foi criança. Borbulha a adolescente que fugiu de casa mas que antes levou muita pancada.

Sou nervosa sou. Tenho caspa tenho. Só que não. Não é caspa. São anos de dor , são gritos que o meu corpo vai dando a ver se arrefece. Sou nervosa e tenho dermatite nervosa. Sou nervosa e tenho gastrite..nervosa claro. Sou nervosa sou e tenho arritmia.. ataques de pânico. Sou magrinha eu sei. É que o meu metabolismo, no meio de tanto turbilhão nunca pôde parar porque eu tive que sobreviver.

Enquanto crescia e quando cresci. Sou adulta e sou nervosa. Há tanta coisa com a qual não sei lidar. Nunca me ensinaram. Tenho medo de morrer se for no metro e vier uma bomba. Tenho medo de morrer se estiver num elevador e vier um incêndio num prédio. Tenho pancas, paranóias, medos, pânicos, sou nervosa!

Vi o meu avô morrer, cuidei dele até ao dia. Tinha cancro. Como é que se apaga da memória vermos a pessoa que mais nos amou enquanto crescemos na faixa de Gaza, chorar de encontro à parede de um hospital oncológico com dores que nós não podemos curar? Como é que se apaga da memória o seu último aceno enquanto partimos de marcha atrás para recebermos uma chamada no dia seguinte ….

Sou nervosa sou e escrevo sem parar e a maior parte das vezes sem nexo. Mas olha, agora que já escoei os nervos pelos dedos e pelas lágrimas pode ser que vá dormir melhor. A ti que leste isto até ao fim, gabo-te a paciência ou compreendo-te porque te identificas. A ti que és nervosa e pensas só que és idiota, não te sintas só ! Ansiedade ou nervos, como quiseres é mais real do que chuva torrencial em Janeiro.

PORMenina
Partilhar é cuidar!