Mesmo contra o mundo, ainda te amo

Ainda sinto a tua falta.
Sim… desculpa, mas é a verdade.
Ainda sinto a falta do teu abraço, do teu sorriso, do beijo na testa…
Sinto a falta, da certeza que senti, quando soube que és aquele que me irá marcar para sempre.
Desculpa…

Tentei esconder.
Tentei convencer-me que a vida seguia sem ti e que eu estava realmente bem, com a tua ausência.
Fui-me colando.
Procurei aqueles pedacinhos pequeninos em que eu estava partida e fui colando. O problema é que me fui colando com a cola da ilusão e ela funcionava realmente bem.
Encontrava assim uma forma fácil e simples de te superar…
Se não te encontrasse, se não te visse, se não lidasse com o assunto que te envolve, eu conseguia ir vivendo.
Iludi-me falando de ti, apenas quando era necessário, e desvalorizando o assunto.

Falei de ti, sempre de modo a não invadir aquilo que eu realmente sinto.
“Não… ele já passou. Não, eu já superei”
É.
Repeti isso, inúmeras vezes, para ter a certeza de que quando alguém me falasse de ti, o discurso sairia de forma natural.
Saiu.

Várias vezes…

Saiu e essa “naturalidade” matava-me.
Sim.
Enganei-me.
Enganei o outros, achando que eu estava bem, e que, a rapariga em pedaços, se tinha evaporado.
Durante um tempo foi fácil.
Foi fácil, até ter de lidar de frente quando me confrontaram.
Caí, e percebi que nunca me tinha levantado realmente.
Vi-me obrigada a encarar o que realmente sinto por ti.
“Ainda o amo. Ainda o quero”
É…

Até a mim, me doeu quando percebi isso.
Talvez tenha sido essa a real razão de eu nunca mais ter tido ninguém comigo ou na minha vida…
Sim, ainda te quero…
Ainda te amo.
Ainda espero por ti.
Ainda acredito…
Sim…
Mesmo contra tudo e todos, ainda sinto a tua falta.
Sim…
Mesmo contra o mundo, ainda te amo e ainda espero por ti…

PORPatricia Rebelo
Partilhar é cuidar!