Deixa-me abraçar-te…

15º Campeonato Nacional de Poesia de Pedro Chagas Freitas

Jornada 7

Sinto-me triste, triste por não acreditar na minha felicidade
Tanto tempo que passou e só agora consegui perceber realmente
Que sempre tive a felicidade atrás de mim
Mas só nos apercebemos que somos felizes quando a felicidade se aproxima do fim

Sinto, apesar de já não ser fácil sentir, o teu beijo
Reparo como são doces os teus lábios por mais secos que estejam
Infelizmente não vou ser capaz de reparar o nosso amor quando este acabar
Porque tu sabes quando ele acaba, acaba quando o tempo acabar comigo

Não deixarei que este pensamento me leve novamente a felicidade
Quero ser feliz contigo, mesmo que seja só agora, no fim das nossas vidas
Obrigado por teres esperado por mim, obrigado por esperares até quando eu não esperei
Eu sei que errei quando te abandonei, toda a gente erra, até tu erraste quando me deixaste ir

Não me deixes mais, não me deixes ir e puxa-me para onde vais
Eu vou contigo, mesmo que não queira ir, dá-me a mão e eu estarei mesmo atrás de ti
Seguirei todos os teus passos e se tropeçar tu ajudas-me a levantar com o teu beijo
Aquele beijo que eu desejo sempre que não o tenho, sempre que não o posso ter

O nosso amor continua a arder, sempre ardeu, só nunca te tinha conhecido
Tudo se inicia quando eu me torno teu amigo, aí tu reparas que eu sou apaixonado por ti
Sou apaixonado porque amo ter uma paixão por quem se apaixona
Não é qualquer um que se apaixona, não é qualquer uma, são dois seres vivos quaisquer