Hoje sou esse mar revolto…

Ultimamente os momentos de silencio tem sido bem maiores do que aqueles de barulho, mesmo acompanhada tenho prezado aquilo que se chama de tempo connosco próprios, porque nada do que pudesse dizer me iria fazer sentir melhor silenciei.

Os dias foram passando, passam sempre, é o que de mais certo temos na vida, o tempo não para, nem mesmo quando o nosso mundo se fecha numa bolha, vazio de tudo, o tempo pára, quando a bolha rebenta o tempo passou.. Não sei exatamente quando rebentou a minha bolha ou se algum dia fiquei fechada nela verdadeiramente, só sei que ultimamente as pancadas do tempo se tem evidenciado dia após dia.

A vida é semelhante ao mar que tanto adoro, acho que nele se encontra a analogia perfeita, posso passar manhãs e manhãs seguidas a acordar e ver o mar calmo, sereno, num silêncio tão grande que nem o ouso a beijar a costa de tão manso que é esse encontro, quase como se de um amor secreto se tratasse, mas numa ou noutra manhã quando acordo ele está revolto, com tendência a crescer de intensidade!

O mar, esse mar revolto que leva tudo o que está a sua frente, que muitas vezes vem buscar o que ele próprio um dia trouxe, não é assim com a morte? Não vem ela buscar-nos a vida, depois das manhãs e das noites que nem se apercebemos que estavam a contar para o fim. O mar, esse mar que não pode ser parado por ninguém, não existe nada que possa parar a sua revolta, mas existe esperança de que a bonança retorne, talvez com o novo amanhecer quem sabe..

Hoje sou esse mar revolto, esperando quem sabe amanhã ser calmaria, numa vida que silenciosamente abrace o sol dos dias sem grandes sombras, até lá vou esperando, aguentando pancada atrás pancada.. Sorrindo, ahh sorrindo muito! Aproveitando para ser feliz com as pequenas coisas, porque essas sim são as grandes coisas no final de tudo.. Porque de que servem os grandes feitos se não forem acompanhados de pequenas conquistas que nos farão valorizar?

A felicidade anda por aí à solta, de mão dada com os sonhos, mas ela não vem sozinha e por saber disso não paro de correr, não paro de me levantar todas as manhãs na procura das pequenas coisas, das pequenas conquistas, de fazer tudo o que hoje me faz feliz, sim porque não existe amanhã, amanhã é sempre tarde demais para se lutar por aquilo que se quer, para se dizer o quanto se gosta, para cometer as loucuras que se tornarão em grandes memórias ou grandes lições!

Diz-me quando é que algum dia experiências-te viver no amanha? Tudo o que é teu é o hoje e mesmo assim nem na totalidade! Aproveitar o agora é tudo o que temos! E como ele pode ser bom.. Tudo está na pequena medida da distancia de tentar! Tentar ser feliz, ousar sorrir!

POREma Melo
Partilhar é cuidar!