Hipoteticamente amor…

Passo por ti quase todos os dias. Sorrio, digo-te olá com a voz tremida e sigo o meu caminho mais apressada do que o normal. Nem tempo te dou para me responderes, com receio que não queiras saber das minhas palavras. Mas para quê palavras se o nosso olhar revela muito mais!? Aqueles minutinhos antes de nos cruzarmos fisicamente correm em slow motion só para que os nossos olhares se comprometam por instantes.

Passo por ti quase todos os dias. Mas quase todos os dias me deixo enfeitiçar pelos teus lábios com vontade dos meus. E sigo apressada com receio que as minhas bochechas corem diante de ti.

Pudesse eu roubar-te um beijo… Aproveitava e trazia dois.

Pudesse eu dizer-te tudo o que me fazes sentir… Aproveitava e mostrava também.

Um dia prometo que a minha voz não treme. Mas tens que me prometer que, se isso acontecer, me vais abraçar e dizer que está tudo bem. Tens que me prometer que vais guardar uma gargalhada para quando eu não souber o que fazer ou dizer na tua presença. Tens que me prometer que não vais ficar zangado quando eu não quiser saber de ti num dia mau. Mas também quero que me prometas que vais segurar as minhas lágrimas quando a paixão passar. Ou então, quero que olhes para mim e digas que já é amor.