Foste a minha salvação!

Queria tanto dizer-te que estava tudo bem, mas não estava.

Eu sei, eu finjo bem. Tinha mantido sempre um ar tão feliz que era praticamente impossível duvidar de tamanha felicidade, não era?

Pois é, é verdade que por vezes o som das minhas gargalhadas pode ser ouvido a quilómetros de distância mas na maior parte das vezes elas nem tão pouco eram genuínas, quase sempre eram completamente fingidas.

Tu conheces-me bem, sabes que tenho horrores de dar a parte fraca, sabes que posso sentir-me destruída por dentro mas que aparento estar alegre e bem disposta, sempre pronta a ajudar toda a gente, com uma vontade enorme de reerguer o mundo mesmo sem forças…

Devias ter visto o meu estado lastimável daquela noite fria de Janeiro, que me deixaste à porta de casa como de tantas outras vezes. Não duvidaste de nada e não te subestimo, eu sou mesmo boa atriz no que toca a sentimentos. Passei a noite a rir e a fazer rir todos os nossos amigos, fiz de tudo para disfarçar a tristeza que carregava ao peito, acho que ninguém deu por nada, era difícil fazê-lo. Nem tu que já me vais conhecendo as manhas conseguirias perceber que naquela noite eu sentia-me com o mundo a desabar, ainda não sabes decifrar quando as minhas gargalhadas exageradas são só o disfarce perfeito para a amargura que sinto, é normal que não o saibas. Despedi-me de ti com um enorme sorriso na cara, com um último beijo de despedida e aos teus olhos sei que parecia bem mas mal me deitei na cama chorei como já não me lembrava de chora há muito tempo. Se me perguntares o porquê eu não vou saber explicar-te, a psicóloga chamou-lhe depressão mas eu chamei-lhe apenas uma fase menos boa que estava prestes a superar.

Não me censures por não te ter contado antes, por não ter desabafado contigo, por não ter falado contigo mesmo sabendo que estarias ali, todo ouvidos, pronto a segurar-me nos teus braços e a tentar animar-me como só tu sabes fazer. Desculpa pelas vezes que respondi às tuas mensagens dizendo que estava tudo bem tendo lágrimas nos olhos, perdoa-me por cada vez que te disse que não queria sair por estar cansada quando no fundo eu só queria enfiar-me na cama e chorar a noite inteira sem que ninguém fosse a plateia da minha tristeza. No fundo menti-te, mesmo sem intenção de te magoar, mesmo até um pouco sem intenção de te mentir, mas foi a forma que arranjei de lidar com esta maldita fase.

Hoje escrevo-te não só para que perdoes esses meus pequenos passos mal dados mas também para te dar a alegria de me veres rir genuinamente de novo, para te fazer saber que hoje eu estou bem e que o teu amor foi a minha melhor cura mesmo sem te aperceberes muito bem disso, foi o teu carinho que me salvou deste abismo.

No final, depois de tanta instabilidade, foste a minha salvação, obrigado por me salvares, mesmo sem saberes, porque o amor sempre deveria ser a maior salvação e no nosso caso foi.

Obrigado por todo o teu amor sincero e puro mesmo quando eu não era a pessoa melhor para amares.

Hoje eu estou bem, hoje riu de novo com alma e coração e devo-te isso a ti, meu grande amor…


PELA WEB

Loading...