Folhas que me acorrentam..

Eram folhas verdes sobre um tecto de uma imensidão que tapava o céu e cobria os mares. Folhas verdes, gotas de água, e grãos de areia para os perdidos. Perdidos na floresta ou no tenebroso mar ou ate mesmo nas imperdoáveis ondas do deserto. Porém ninguém se queixou de estar perdido por amor, ninguém no planeta apareceu na Tv por estar perdido por amor, nem eu, nem ninguém

Talvez no silêncio houvera sensatez, talvez se tenham acostumado ou talvez não houvesse coragem para soletrar, estou perdido de amor.

Já amei, por mim deixava só estas duas palavras e as deixava desabrochar, mas sei que os ventos sopram e as folhas se multiplicam e hão-de dizer que te amo.

Hão-de dizer que te amo tão vagamente por não conhecerem esse amor, não sabem e falam, falam por não saber e querem, querem todos sentir a intensidade do nosso amor. Todavia não lhes conto, nego a sabedoria, afinal de contas querem saber de um amor que já não é amor. Inexplicável para alguns e tão simples, tão mas tão simples quanto a geada do amanhecer.

E era amor, amor, amor e amor.. era tudo tão levemente intenso, cada mordida, cada cantiga, cada som ou cheiro que a nossa mente se perdia.