Eu sou a última…

Tu quebraste toda a confiança que ele tinha nele próprio. Ele é uma pessoa fantástica e tu não entendeste isso. (Obrigada.)

Eu dou tudo para o fazer sorrir. Para ser verdadeiramente feliz, comigo. Para poder ter a oportunidade de ver aquelas covinhas perfeitas, diariamente, disfarçadas com a barba dele. E faço para que esses sorrisos sejam (praticamente) todos derivados de mim.

Tu acabaste com toda a esperança que ele tinha no amor. E eu estou aqui para o fazer acreditar. Mas não para o fazer acreditar de novo, no amor como um total. Não, também sei ser egoísta. Eu estou aqui para fazê-lo acreditar no nosso amor. No melhor amor do mundo.

Num amor que o único sofrimento que lhe vá causar seja por adormecer a meio da tarde e ele ficar preocupado sobre o que me aconteceu. Ou por discutir com ele por ser segundo plano, nem que seja só por breves instantes. E por ele discutir comigo por ser segundo plano mesmo quando eu sei que ele é meu primeiro, segundo e terceiro plano. Que ocupa todo o meu coração e toda a minha mente. E vou tentar mostrar-lhe isso, todos os dias.

Claro que às vezes vamos passar situações piores. Claro que vamos discutir. Mas vou fazer com que as nossas pazes compensem tudo. Com que o meu abraço apague a mágoa de todas as últimas palavras. Com que o meu beijo o acalme de forma a que me perdoe.

Eu estou aqui para fazê-lo acreditar no amor, no nosso amor. Vou-lhe mostrar que sou diferente de ti. De ti e de todas as pessoas que já passaram pela vida dele. Que sou especial. Que sou diferente (mais problemática, pelo menos). Que existe o tal de ‘amor verdadeiro’ e que esse é o nosso. E que mesmo que por outras razões não dure para sempre, vai ser o mais inesquecível da vida dele. Pelos bons motivos.

Tu tornaste-o numa pessoa fria. E eu estou aqui para aquecê-lo. Para que ele baixe as guardas que tem contra tudo o que lhe quer fazer bem. Para que deixe de ter receios quanto à felicidade, para não ter mais se’s que lhe atormentem a cabeça. Para que confie em mim, a cem porcento.

Porque eu, por mais que queira marcar todo o corpo dele, estou aqui para lhe marcar o coração. Para que ele fique com a cabeça às voltas sempre que não saiba o que fazer comigo, que tente arranjar uma forma de me calar quando não está pessoalmente comigo e não me pode dar o maior beijo da vida dele. Eu vou amá-lo mesmo nos momentos difíceis. Vou (des)respeitá-lo também, porque é assim que eu sou, não gosto de regras. Mas no final, sou eu que vou estar com ele no bom e no mau. Em todos os momentos da vida dele.

E se, mesmo com isto tudo, ainda existir uma próxima… Então fica a saber que aquele coração ainda vai bater de acordo com o meu, que aquele coração ainda se vai lembrar das minhas marcas. Que aquela voz ainda vai gritar por mim. Que aqueles olhos ainda vão de encontro aos meus. Que aquela cabeça ainda vai acabar por pensar em mim quando tu não estiveres por perto. E que os dedos dele ainda vão de encontro ao meu contacto, mesmo quando tu o apagares, ele vai sabê-lo de cor. E acredito que me ligue nos momentos de maior socorro. Porque eu sei, com certezas, que não vais percebê-lo como eu. Porque eu, vou marcar a vida dele, todos os dias… E vou-lhe mostrar que amor é isto, amor somos nós.

E esquece, desculpa mas não vai existir próxima.
Eu sou a última… O último amor da vida dele.