Eu quero…

Quero roupas sujas de lama, ténis gastos de tanta correria e de tanto jogar à bola, quero arranhões nos joelhos.

Quero menos tecnologia e mais voltinhas de bicicleta, de patins, de trotinete e de skate.

E até de carrinhos de rolamentos (se ainda me for possível encontrar algum em condições).

Quero mais ar livre, menos paredes e mais gargalhadas. Quero que ele ou ela saiba que a fruta vem das árvores e não da banca do supermercado.

Quero que apanhe laranjas, nêsperas e pêras, como eu (ainda) apanhei.

No verão, quero areia nos pés ao final da tarde e tirar-lhe fotografias com uma máquina fotográfica e não com um telemóvel. Quero picnics e natureza.

Quero poder ver bichos estranhos dentro de caixas de sapatos, é sinal de que esteve a brincar no parque/no quintal e que os apanhou.

Não sou mãe, mas espero um dia vir a ser e quero poder dar-lhe(s) tudo o que tive de bom antes dos jogos de computador e telemóveis xpto’s.

É “só” isto que quero.