(…) eu precisei de deixar de viver para ti para puder começar a viver para mim!

Sim, eu que sei que fiz muita coisa, que disse coisas da boca para fora e que me fui embora sem te dar uma justificação plausível, mas a verdade meu amor, é que eu precisei de deixar de viver para ti para puder começar a viver para mim!

Acredito que não entendas o porquê de eu dizer isto, porque tu tinhas a tua vida e fazias dela o que querias, só te esquecias que eu não era uma escrava tua ou do amor que por ti sentia, mas sim tua namorada e companheira.

Deduzo que seria espetacular chegar a casa após um dia de trabalho e ter o jantar feito, a casa arrumada, a roupa passada e a tua mulher à espera. E acredita que apesar de ter sido educada para fazer muito mais que os caprichos de um homem, não me importei de assumir o papel de dona de casa e da mulher que tu precisavas que eu fosse, para que pudesses ter a tua vida e lutasses pelos teus sonhos. Só que o tempo foi passando, e a atenção diminuindo. Passei de mulher da tua vida a uma simples empregada.

Tudo era mais importante que eu, as papeladas do trabalho, os amigos no café da esquina, o cigarro às 2 da manhã e a liga dos campeões. Nunca havia tempo para um carinho, um miminho, uma atenção, uma palavra agradável ou até um abraço confortante. E eu, mulher da minha vida, dona de si mesmo, nunca acostumada com nada, acostumei-me com a tua ausência e com a ausência do teu amor.

Pois é, sabes aquela mulher decidida, com o mundo na mão, com os olhos brilhantes cheios de sonhos e com toda aquela garra para lutar? Sim essa mesma, que queria viajar, conhecer o mundo, fazer desportos radicais, que queria ser gerente de um hotel, accionista de um banco, presidente da república e até dona do mundo? Aquela que foi criada para não ser mais uma, que fica em casa a lavar as cuecas ao marido e se submete a tudo. Essa mulher desapareceu.

Mas a culpa não é só tua, também é minha, porque me submeti a isso, porque estava tão cega de amor por ti, que não consegui perceber o quão mal me fazia ser apenas a mulher invisível, que cedia aos teus caprichos. Agora percebo a importância de sermos donos da nossa própria vida e de não desistirmos de nós, só porque os outros assim o querem.

Sim eu sei, os homens não estão ou vá não foram preparados para serem contrariados por uma mulher, para lutar por um cargo contra ela, para dividir as lidas de casa. Os homens não entendem que ser mulher não significa ser o sexo frágil! Não significa ser submissa deles.
Ser mulher significa ter força virar este e outro mundo ao contrário, significa nunca desistir de uma luta, nunca virar costas ou optar pelo caminho mais fácil.

Meu amor posso-te garantir com toda a certeza que as mulheres das novas gerações não são o que tu queres que ela sejam, mas sim aquilo que elas querem ser e quando querem ser! Um dia vais-me dar valor, mas nesse dia, não vou mais estar aqui.

Obrigada por estes anos a teu lado, ensinaram-me a valorizar ainda mais a mulher que sou e que posso ser.

PORFull Moon
Partilhar é cuidar!