Estou sozinha num mar de gente!


E hoje sei apenas o meu nome e a minha idade! Saio de casa e sei para onde vou, mas não sei porque vou. Tinha sonhos, e de sonhos passaram a objetivos. E hoje deixei-os ir, com todas as minhas lágrimas, não tenho mais objetivos e nem sonhos.

Os dias passam e é sempre a mesma coisa, uma pessoa alegre de dia, e um derrame de lágrimas de noite, para ser sincera nem sei quando foi a ultima vez que adormeci a sorri e acordei com vontade de me levantar. Não estou a tentar mostrar a vida triste que tenho, afinal fui eu que fiz com que ela fosse assim, estou a ter os resultados das minhas ações.

Todos os dias me cruzo com centenas de pessoas, e consigo ver que num mar de gente pareço ser a única afogar-me, ás vezes até me afogo nas minhas próprias lágrimas, é é triste sabes? Quereres ser feliz, e parece que tens alguma coisa sempre a moer-te a cabeça, que queres simplesmente ignorar e seguir em frente, e teres novamente objetivos e alguma motivação para continuar, mas tens sempre algo que te diz que não és suficiente. E é isso mesmo, nunca és suficientemente boa em nada, todos os teus erros são postos num placar, mas todas as tuas virtudes escondidas.

Queres desabafar e falar, e vês que a única pessoa com quem podes desabafar é contigo mesma. Estava rodeada de amigos, e hoje todos me tratam como desconhecida. E as pessoas acham que a solidão é boa, porque ninguém te chateia, te questiona e te aborrece, mas também ninguém te vê sorrir, te põe a sorrir, ninguém diz o teu nome, ninguém faz de ti especial e essencial. E apesar de nova, sentes-te um folha caída do Outono, velha, e sem utilidade.

E as pessoas mais velhas admiram a tua idade e dizem “só queria a tua idade” e tu preferias ter a idade delas, só por saber que a tua esperança média de vida não iria ser tão elevada. Não consigo entender como ás vezes parecemos ter as forças do mundo voltadas contra nós.E choras, choras, choras, choras, e a tua magoa não passa, cada vez te sentes mais desnecessária neste mar de gente, e cada dia que passa esperas ansiosamente que venha uma onde maior e te afogue.