És sempre tu…

És tu, és tu todos os momentos, és tu todos os dias e és tu sempre!

És tu que um dia me ignoras e no outro voltas como se nada tivesses feito, és tu que falas comigo com sete pedras na mão e a seguir me estas a oferecer beijos e distribuir abraços, mas és tu que me fazes sentir um misto de emoções!

E sou eu que feita parva, não ligo quando me ignoras porque logo a seguir voltas, não me incomodo quando me falas com as tais sete pedras na mão porque sei que te arrependes e as substituís por carinho, mas sou eu que feita apaixonada sinto o que sinto por ti.

Então estes dias eu estive a pensar. O que acontecerá um dia se tu deixares de me ignorar, se tu deixares de falar com essa tua maneira?

Será que depois também não voltas, será que também não iras voltar para substituir as palavras ditas por carinho e conforto?

E tu, se eu começar a ignorar-te depois de me ignorares, se me começar a importar com a tua maneira de falar e se eu deixar de sentir o misto de emoções que só tu me das, o que farás se eu te fizer o que tu me fazes a mim!?

Eu não consigo entender-nos, se calhar esta aí o segredo, quem sabe, nem nós sabemos e muito menos as outras pessoas que de nós os dois nada sabem..

Não consigo perceber porque voltas depois de tudo e percebo ainda menos porque é que eu te aceito sempre que vens!

Acredita, no dia em que eu perceber isto, podemos começar a esquecer (seja lá o que é) que há entre nós, porque a partir desse dia?, a magia acaba e a partir daí seremos apenas dois corpos lembrados com duas almas separadas.

Mas como isso ainda não aconteceu, vamos aproveitar!

Vem, que pelo menos mais uma vez, eu aceito-te!