Enurese; Xixi na cama: E Agora?

A enurese noturna é um dos problemas de saúde mais comuns na infância, no entanto, o mesmo também pode ocorrer na adolescência e na fase adulta, porém com menos incidência.

Geralmente identificamos um caso de enurese, quando a criança já está há cerca de seis meses com o controle total dos esfíncteres, porém, recomeça a fazer o xixi na cama frequentemente. É importante identificarmos exceções deste descontrole, pois estudos apontam que até a criança completar mais ou menos um ano do desfralde, podem ocorrer incidentes pontuais, causados por algum pesadelo, alguma ansiedade, ou até uma ingestão muito grande de líquidos antes de dormir, mas o mesmo ocorre pouquíssimas vezes e não há uma frequência.

O comportamento de fazer xixi na cama inibi a criança, porque ela não consegue dormir na casa de um amiguinho ou ir a alguma excursão, e alguns pais se sentem fadigados com a situação, pois não conseguem revertê-la.

Neste tipo de acontecimento é importante que haja uma compreensão e paciência por parte dos pais, porque em alguns casos esses acreditam que a criança faz xixi na cama de propósito, no entanto, não é isso que acontece na maioria das vezes. Se não há uma causa fisiológica, a criança pode estar passando por algum tipo de conflito e a mesma não consegue conversar a cerca deste, então “sua maneira de expressar” é através do xixi na cama.

O primeiro passo a ser tomado quando a enurese se torna corriqueira é procurar um médico e tirar qualquer possibilidade de algum problema fisiológico. Provavelmente o médico irá fazer uma anamnese do histórico da criança, como foi a trajetória do desfralde e todos os detalhes do início da enurese. Ele também pode pedir algum exame para descartar as possibilidades de alguma causa física e também o histórico de desfralde dos pais, pois a enurese pode ser hereditária.

Descartando está dúvida, é aconselhável procurar um psicólogo para que possa ser entendido o por que desta enurese, pois se não há algo físico causando tal acontecimento o mesmo pode ser um sintoma de algum conflito ou angústia que a criança esteja passando e com o decorrer da terapia poderá ser diminuído o sintoma até mesmo o desaparecimento do mesmo.

Quando a criança está em terapia há consultas intercaladas com os pais, consultas que podem dar um respaldo e ajudar neste processo de cura da enurese, processo que muitas vezes pode ser cansativo tanto para os pais como para a criança e com a terapia ambos conseguem encontrar uma maneira para se ajudar e atingir o objetivo, que é a melhor qualidade de vida para esta família.

PORPsiVittá
FONTEPsiVittá
Partilhar é cuidar!