Dói-me saber que estás longe de mim…

Dói-me. O meu coração está a gritar de saudades.
Dói-me o corpo, a minha alma está ferida, e eu não sei o que mais fazer.
Lembro-me como se fosse hoje do momento em que demos o nosso primeiro beijo,
Naquele anoitecer só nosso, naquele silêncio que nós dois sentimos como eterno.

Dói-me saber que neste momento não te tenho do meu lado.
Custa-me perceber que o passado já lá vai, e o que fica do meu lado são as memórias.
As lembranças de um amor verdadeiro, de uma paixão pura e crua.
De dois corpos separados, juntos num grito de medo que descobriu a razão de viver.
E até de nascer. Porque eu não tenho dúvidas que vim ao mundo para ser teu.
E nunca hesitei em entregar-te o meu coração, da forma como sempre sonhei.

E por isso custa-me… Dói-me saber que estás longe de mim.
Dói-me não te poder beijar, tocar e até abraçar.
(Como eu gostava agora de te poder dizer que quero fugir contigo,
E percorrer o mundo com uma mala às costas.)

Agora… Fico eu aqui sentado, a olhar pela janela,
A esperar o teu regresso. Quando voltas? Chegas mesmo a voltar?
Tens aqui alguém que te anseia… que te deseja… loucamente.
Hoje e sempre.