Deixando o passado no passado!

Desculpa, eu não te quero, não mais! De repente meu mundo ficou pequeno para suportar sua bagagem de melancolias, e estou um pouco exausta de sempre ter que inventar uma solução mágica para te deixar inteiro novamente, e sempre as custas de minha alegria. Suas feridas terão que ficar abertas. Ouvi dizer que quanto mais exposta fica, mais tende de melhorar e logo vem a cicatrização.

Não quero mais sujar as minhas mãos ao ter que pegar as migalhas que você joga para satisfazer a minha paixão. Não venhas me falar qual escolha foi a errada, e que agora será tudo diferente, nem venhas me pedir a milésima chance, por favor não zombes da minha inteligência ao vir me falar sobre tuas fantasias banais, aquelas, sobre nós dois em alguma praia do Caribe. Acabou ok. Escolhi entre as estações a Primavera, e junto com ela irei florescer, e não tenho mais prazer em me submeter a tuas tempestades de final de tarde de um Outubro qualquer.

Me sinto uma fénix, acredite se puder, mas renasci dos destroços que tu deixaste em minha frente logo após o seu adeus, aquele que me veio por uma carta totalmente piegas e com um PS: Ainda voltarei para ti. Sim, foi sua escolha partir, não te culpo por isso, mas deverias saber que junto com a despedida, haveria uma vida que continuaria a existir, acompanhado de uma rotina nada fácil, na vida de uma garota que se redescobria sem os seus abraços. Está aí, me reencontrei, voltei a sorrir.

Pare com os porquês, não me interessa mais as suas lamurias, e nem juras, quem dirá o tal do seu amor. Eu segui em frente, tente fazer o mesmo, é libertador. Sinto muito, mas eu não sou mais a tola garotinha que um dia para ti se entregou, você escolheu ir embora e eu escolhi ser a pessoa certa para a sua hora errada. Nosso tempo não é o mesmo, e quanto mais o tique taque do relógio ti-taquear, mais longe da minha vida tu irás ficar!