Da avó para o neto…

15º Campeonato Nacional de Poesia de Pedro Chagas Freitas

Jornada 6

Leio este poema sem muito tempo restante
Começo-me a sentir distante neste meu último instante
Sinto-me como uma velha tola que fala para um novato doido
Só te quero agradecer por passar os últimos instantes contigo

Digo, mais uma vez e as vezes que ainda conseguir
Que vou estar ao teu lado mesmo quando for a hora de partir
Assim espero, pelo menos, espero que não me abandones
Mesmo que eu tenha de te abandonar

Então, em vez de chorar, enlacemos as mãos
Como se fosse um abraço mas de dedos entrelaçados
O tempo corre e eu já não posso correr atrás
Mas a ti, ainda te resta muito tempo para correr

Corre neto, corre e acompanha o tempo
Antes que o tempo não te acompanhe
Já não há muito que possas fazer
Há muito para fazer que ainda não fizeste

Portanto avança no tempo
Não tenhas medo de avançar
Porque quando deres por ela
O tempo do teu tempo estará acabar