A culpa é do Cupido!

Duas peças de um puzzle diferente, dividem a mesma caixa. Um menino ingénuo segura-as e tenta encaixá-las. O menino junta-as de uma forma inexplicável, e elas, dessa mesma forma, se separam.

Quando ele acredita que o puzzle está completo, atrevidamente, aquelas duas peças estragam tudo.

E o menino frustrado constrói o puzzle novamente. Peças estúpidas que vêem nos olhos daquela pobre criança, o quão entediada ela fica sempre que as suas tentativas se tornam vãs. A verdade é que é doloroso até para elas, tem as arestas cortadas e estão a desfazer-se lentamente.

Pergunto-me quando é que esse menino perceberá que elas são diferentes, que nenhuma delas pertence àquele puzzle, nem a qualquer outro.

Foram um erro de fabrico, e agora, tornaram-se irrecuperáveis.

Sabes? Esse menino? Parece o mesmo idiota, ao qual chamamos cupido. Sim, esse mesmo. Que ora nos junta, ora nos separa, ora nos encaixa perfeitamente, ora arruína-nos toda uma vida.

Somos diferentes, e parece que o cupido gosta de acertar-nos em cheio, e ver-nos loucamente apaixonados e empolgados com sonhos, que esse mesmo cupido, não deixará que se concretizem.

Será que ele inveja o nosso amor?

PORLetícia Brito
Partilhar é cuidar!